Resources

Gestão de riscos

Gestão de riscos

Gestão de riscos

Cultura data driven: por que aplicar essa metodologia na sua empresa?

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

January 13, 2023

January 13, 2023

January 13, 2023

Identificar pontualmente o que o público-alvo necessita e espera é um grande passo rumo ao sucesso de qualquer empresa. Uma boa maneira de descobrir isso é por meio da aplicação da cultura data driven ao negócio.

Essa cultura é um modo de atuação orientado a dados. Explicando de uma forma resumida, significa que todas as decisões de uma companhia são baseadas em dados reais, e não achismos ou especulações.

Esse modelo de trabalho é considerado uma cultura, pois a ideia é que todos os setores atuem da mesma forma. Mas, para que isso aconteça, é fundamental que a empresa utilize tecnologias como Inteligência Artificial, Machine Learning e Big Data

Aqui, vale destacarmos dois pontos bem importantes. O primeiro é que tomadas de decisão baseadas em dados reduzem falhas e geram resultados muito mais satisfatórios. 

O segundo é que quanto mais dados estiverem disponíveis, melhores serão as deliberações da companhia, gerando novas oportunidades de negócios e novos dados que poderão ser usados no futuro.

Ou seja, é um ciclo de crescimento constante e altamente benéfico, desde que implementado e utilizado da maneira certa.

Mas como fazer isso? Como tornar a cultura orientada a dados uma realidade na sua empresa? Quais vantagens essa forma de trabalho pode trazer para o seu negócio?

Siga a leitura deste artigo e confira, agora, todas as respostas e orientações sobre esse tema!

O que é cultura data driven?

Cultura data driven é o uso de dados gerados por uma companhia para embasar suas tomadas de decisão.  

Seu objetivo é usar ferramentas tecnológicas para coletar, analisar, filtrar e armazenar dados, transformando-os em informações que gerem importantes insights  para o crescimento da empresa.

Mesmo que essa cultura seja extremamente relevante para a expansão e sucesso de um negócio, boa parte dos gestores ainda não têm essa visão.

Muitas empresas desconhecem ou não tem interesse em usar todos os dados que possuem. 

Segundo dados da pesquisa "Over 100 Data and Analytics Predictions Through 2025", da Gartner consultoria, nos últimos três anos foram produzidos pelas empresas mais de 90% do total de dados, o que representa milhões de terabytes armazenados.

Entretanto, o grande problema é que nem todos esses dados foram usados como ferramenta de planejamentos estratégicos nesses negócios.

Qual a importância da cultura data driven?

O fato é que a cultura data driven é uma ciência que prima por dados, por meio de métodos científicos, estatísticos e análises de algoritmos que objetivam ajudar na tomada de decisões de uma organização.

Não utilizar os dados gerados é perder um importante recurso que potencializaria o crescimento da marca e, consequentemente, sua lucratividade.

Afinal de contas, definir ações, estratégias e projetos unicamente considerando a intuição é um erro gravíssimo que pode prejudicar a sua empresa, já que não conta com o respaldo e embasamento de informações concretas. 

Em um mercado cada vez mais competitivo, estabelecer decisões com clareza permite que a companhia evolua de forma gradativa e constante, assim como contribui para que a equipe perceba os riscos de atitudes estruturadas sem esse tipo de critério.

Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Cultura data driven: quais são as vantagens?

Se nessa cultura as decisões são baseadas em dados, é certo uma série de vantagens podem ser obtidas, concorda?

Listando os principais benefícios desse modo de deliberar, temos:

  • redução de custos operacionais;

  • aprimoramento da capacidade de planejar ações;

  • aumento da taxa de conversão;

  • identificação mais rápida de tendências e ameaças.

Redução de custos operacionais

Um estudo publicado pela revista Harvard Business Review analisou 1.000 empresas presentes na chamada "Lista da Fortuna", e revelou que cerca de 48,4% dessas organizações afirmaram que conseguiram reduzir custos ao inserir a cultura orientada a dados em seus negócios.

Um dos motivos para isso acontecer é que a tecnologia usada para essa metodologia otimiza as tarefas, reduz falhas e, consequentemente, refações.

Por exemplo, empresas que buscam melhorar suas negociações com fornecedores, e querem se embasar em dados para alcançar isso, podem usar o sistema da Linkana como uma solução voltada para cultura data driven

Nossa plataforma oferece acesso a diversos dados estruturados que facilitam a filtragem de fornecedores de acordo com o tipo de segmento necessário, entre diversas outras funcionalidades relacionadas.

Aprimoramento da capacidade de planejar ações

O planejamento estratégico é a melhor forma de organizar as ideias para colocá-las em prática em qualquer momento dentro de uma instituição. 

Seja em épocas de alta demanda, ou de pouca quantidade de trabalho, saber como orientar os funcionários, por exemplo, é fundamental para garantir o bom andamento das atividades.

Mas para identificar pontos que podem ser considerados estratégicos, é importante fazer uma análise sobre a situação do mercado e o atual posicionamento da sua empresa nele, antes de realizar qualquer ação. 

Esse tipo de pesquisa só pode ser realizado por meio da verificação de dados, gerados pela própria empresa, ou inseridos em seus sistemas decorrentes do seu histórico de negociações.

Aumento da taxa de conversão

A cultura orientada a dados ajuda a aumentar a taxa de conversão, pois contribui para que o time de vendas invista em leads que realmente apresentam potencial de se tornarem clientes.

Esses, por sua vez, estarão adquirindo produtos e/ou serviços que realmente farão diferença no dia a dia, já que são pontuais e direcionados para resolver suas dores. Consequentemente, esse comportamento também contribui para elevar a taxa de fidelização da empresa.

Como resultado, a tendência é que haja o crescimento do volume de vendas, do ticket médio e do faturamento geral do negócio.

Identificação mais rápida de tendências e ameaças

A visão e a experiência de um profissional nem sempre são suficientes para garantir soluções certeiras dentro de um negócio. 

Nesse contexto, a cultura data driven é uma ótima ferramenta para ajudar a identificar e antecipar tendências benéficas, bem como situações problemáticas e/ou ameaças que provavelmente surgirão e impactarão negativamente a empresa.

A qualificação de fornecedores, por exemplo, é um processo que, se realizado manualmente, ou sem análises aprofundadas, pode gerar diversos riscos para a companhia.

Aqui, podemos citar ameaças como fechar parceria com organizações citadas na lista suja do trabalho escravo, ou que estão com a reputação corporativa comprometida por práticas ilegais.

3 exemplos de empresas data driven

Com tantas vantagens, é certo que a cultura data driven seria usada como modelo de negócios por diversas companhias. 

Três que se destacam por fazer uso de conceito são:

  • Netflix;

  • Spotify;

  • Itaú.

Netflix

A gigante no ramo de streaming de filmes e séries usa a base de dados para conquistar seus usuários. Para isso, a Netflix analisa o perfil do espectador e oferece títulos de acordo com o padrão do seu comportamento na tela principal da plataforma.

Essa estratégia é usada para melhorar a experiência do cliente, elevar seu nível de satisfação e, por consequência, fidelizá-lo.

Spotify

Se por um lado a Netflix usa sua base de dados para indicar aos seus usuários filmes e séries, o Spotify faz isso com foco em músicas e podcasts. A empresa monta playlists e recomenda as que mais se encaixam nos gostos pessoais dos assinantes.

O serviço oferecido pode ser outro, mas a estratégia data driven do Spotify tem o mesmo objetivo da outra plataforma de streaming.

Itaú

Por meio da “Batalha de Dados”, o Itaú disponibiliza informações reais de seus clientes para que sua equipe encontre soluções inovadoras. Esse é um desafio voltado aos talentos da empresa para colocar toda a criatividade à prova.

Nesse caso, todos ganham: o funcionário que busca evoluir na companhia entrega soluções que atendem às expectativas dos consumidores. E os consumidores, por sua vez, recebem produtos e serviços cada vez mais pontuais e otimizados.

Como criar uma cultura data driven?

A criação de uma cultura orientada a dados deve partir da conscientização da importância dessa metodologia junto aos profissionais da empresa

O motivo é que de nada adianta a companhia investir em tecnologia para que os dados sejam coletados, analisados e transformados em insights, se os funcionários não usarem esse recurso em suas tomadas de decisão.

De acordo com um artigo da Harvard Business Review, o primeiro passo para criar uma cultura orientada por dados é entender que ela começa pelo topo.

Conforme citado na reportagem, as empresas que têm essa cultura mais forte e estruturada, são aquelas cujos altos executivos defendem que as tomadas de decisão devem ser ancoradas em dados.

Isso faz com que essa prática seja difundida de cima para baixo, decorrente do exemplo dado por quem está no topo da hierarquia empresarial.

Como implementar uma cultura data driven?

Uma vez que a base de criação da cultura orientada a dados está definida, é preciso pensar nos próximos passos necessários para sua implementação.

Entre as boas práticas sugeridas para isso, estão:

  • definir as métricas que serão usadas para acompanhar os resultados dessa estratégia;

  • treinar adequadamente os profissionais para aprenderem a interpretar e usar os dados corretamente;

  • manter a equipe engajada para seguirem tomando decisões baseadas em dados;


O que são Big Data, Right Data, dados estruturados e não estruturados?

Mas para o entendimento sobre a implementação dessa cultura ficar mais completo, é fundamental que você entenda outros conceitos que a compõem, que são:

  • Big Data;

  • Right Data;

  • Dados estruturados;

  • Dados não estruturados.

Big Data

Big Data é uma tecnologia que permite a análise e o tratamento de grandes quantidades de dados. Esse recurso é dividido em cinco pilares, que são:

  • volume;

  • velocidade;

  • variedade;

  • variabilidade;

  • vínculo.

Além da cultura data driven, o Big Data também pode ser usado em estratégias de supply chain, compliance, entre outras.

Right Data

O conceito de Right Data contempla a identificação dos dados que realmente são interessantes para a empresa, de acordo com suas estratégias.

Esse recurso é importante porque, em meio a milhares e milhares de dados gerados diariamente por um negócio, nem todos são interessantes, ou mesmo necessários de serem trabalhados.

Separar os relevantes dos que não são é uma boa maneira de otimizar a análise e de chegar mais rapidamente aos insights que ajudarão no crescimento do negócio.

Dados estruturados

Os dados estruturados são aqueles que, ao serem gerados e captados, são automaticamente organizados dentro dos sistemas, conforme a necessidade da empresa.

Por exemplo, um software de cadastro de fornecedores, como o da Linkana, entrega as informações que precisa, na ordem que ajudará o seu time de compras e procurement na gestão diária.  

Dados não estruturados

Os dados não estruturados seguem o caminho oposto. Ou seja, são armazenados sem uma definição.

Comumente, são tão valiosos quanto os dados estruturados, porém, demandam de mais tempo e recursos para serem devidamente organizados e considerados prontos para uso.

Por que data driven?

Não há dúvidas que a cultura orientada a dados é tendência mundial e vem sendo cada vez mais implementada por organizações de diferentes segmentos. 

Uma das principais razões é que, por meio dela, é possível tomar decisões mais precisas, com margens de erros reduzidas, o que contribui significativamente para o sucesso da empresa.

Como dissemos algumas vezes ao longo deste artigo, a Linkana é uma solução que ajuda o seu negócio a deliberar com base em dados, especialmente no que se refere à gestão de fornecedores.

Confira como a Linkana pode ajudar a sua empresa!

Isso é possível porque a Linkana é o primeiro e maior software de gestão de fornecedores em rede

Nossa base de dados de perfis compartilhados permite que compradores analisem fornecedores ativos e novos em alguns cliques. 

Com isso, criamos e geramos valor com insights de informações comerciais, de risco, qualidade e diversidade, utilizados em processos de cadastro, onboarding, sourcing e análise de spend.

As funcionalidades que você encontra no nosso sistema são:

No que se refere aos nossos diferenciais, oferecemos:

  • PERFIS DE FORNECEDORES CERTIFICADOS → O Supplier Open Profile da Linkana padroniza a definição de dados relevantes de fornecedores de acordo com as melhores práticas de mercado, trazendo efeito de rede para o envio e análise de dados entre vários compradores, com informações ESG e de D&I.

  • BASE DE DADOS VIVA E UNIFICADA → Devolvemos o controle dos dados para os fornecedores de maneira inteligente, onde dados públicos são atualizados automaticamente ou enviados uma única vez, evitando informações incompletas, obsoletas ou duplicadas.

  • FUNDAÇÃO DE DADOS INTEGRADA → Impulsionamos o retorno do investimento (ROI) de ferramentas de e-procurement, centralizando dados de fornecedores em uma fonte única de verdade, dinâmica e 100% integrada com todos os sistemas de gestão.

Somos o #SRMDoFuturo, feito para o #CompradorDoFuturo.

Quer conhecer mais sobre a solução da Linkana? Basta preencher agora mesmo o formulário abaixo para descobrir como transformar o modo de gerenciamento dos fornecedores da sua empresa!

Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market