Resources

ESG

ESG

ESG

Entenda a importância da governança ESG para a sua empresa

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

July 28, 2021

July 28, 2021

July 28, 2021

A governança ESG consiste na adoção de boas práticas que conduzem uma empresa para o atendimento efetivo de políticas corporativas, tais como as voltadas para ações anticorrupção, implementação de código de conduta, entre outros fatores relacionados.

Parte de um dos três pilares dos indicadores ESG — que também olham para os fatores ambientais e sociais das organizações — a governança corporativa é a mais comumente encontrada dentro das empresas por ser a responsável por garantir a transparência e as políticas de combate aos comportamentos ilegais e ilícitos. 

Para o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), a transparência em relatórios obrigatórios, inclusive, ajuda as empresas a amadurecer seu posicionamento no mercado e a definir práticas mais assertivas, além de favorecer a aprendizagem contínua.

Entretanto, para chegar a resultados como esses, é fundamental entender de forma completa o que é governança em ESG, qual a importância desse pilar para um negócio, e quais princípios o norteiam.

Esses, e outros pontos sobre o tema, serão esclarecidos agora, neste artigo. Por isso, siga a leitura e confira!

O que é a governança ESG?

Governança ESG pode ser definida como a adoção de princípios e processos de gestão corporativa que garantem a uma empresa o cumprimento de leis e normas durante a realização de todas as suas atividades

Dessa forma, cabe à governança corporativa, dentro do conceito ESG, gerar à companhia a garantia de transparência nos seus processos, de modo que isso também ajude a elevar o nível de confiança de todos os envolvidos no seu sistema, tais como clientes, investidores, funcionários e fornecedores.

Até recentemente, a maioria das grandes empresas operava seguindo a “doutrina Friedman”, na qual seu principal propósito era a geração de lucros para os acionistas.

Apesar de esse modelo de negócio ter seus benefícios claros, a visão focada apenas no dinheiro foi superada e, agora, a “tendência” é o investimento em modelos de negócio verdadeiramente sustentáveis, como os que optam por práticas ESG.

Elas [as empresas] existem para resolver problemas de maneira viável e lucrativa, e não para ganhar dinheiro criando problemas”, afirmou Colin Meyer, professor de estudos de gestão na Saïd Business School, da Universidade de Oxford, durante o painel “Tendências Globais em Governança Corporativa” do 21º Congresso IBGC.

Segundo o professor, o pensamento de que as empresas devem lucrar a qualquer custo é, inclusive, um dos fatores desencadeadores da crise que o capitalismo atravessa.

O conceito ESG

Como uma das maneiras de resolver essa questão, surge o conceito ESG e seus indicadores, que contemplam:


  • Environmental (Ambiente): analisa a atuação da empresa em relação aos problemas ambientais e de qualidade de negócio;


  • Social: esse ponto aborda os direitos humanos, desde ações de saúde e segurança dos colaboradores à preocupação com os clientes e com a comunidade;


  • Governance (Governança empresarial): qual é a política empresarial de uma organização? Esse é apenas um dos pontos no escopo de governança dos indicadores ESG. Outros exemplos dessa sigla são os direitos dos acionistas, ética, transparência e políticas de combate à corrupção.


Exemplos de governança ESG

Os exemplos de governança ESG abaixo servem como uma forma de tornar o entendimento sobre esse conceito mais simples. São eles:


  • definição de um código de conduta a ser seguido por todos os profissionais da companhia, independentemente do cargo, função ou nível hierárquico;


  • criação de um canal de denúncias, o qual pode ser usado por qualquer agente que tenha relacionamento com a empresa, a fim de receber informe de comportamentos considerados ilícitos, ilegais, antiéticos, entre outros;


  • formação de um conselho para apuração das denúncias recebidas e aplicação das penalidades definidas anteriormente no código de conduta;


  • prestação de contas clara e periódica a investidores e público-alvo, como meio de garantir a transparência das atividades da companhia. 


Qual a importância da governança ESG nas organizações?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, a governança é um recurso que traduz os princípios e valores de uma organização em ações que possuem um impacto positivo na gestão da empresa

Com isso, os princípios da governança corporativa também ajudam a alinhar os interesses e objetivos dos stakeholders para tornar menos turbulenta as relações internas e externas da organização.

Com esse investimento, as empresas podem colher benefícios como:


  • aumento da credibilidade junto aos envolvidos com o negócio;


  • mais eficiência nos processos internos;


  • descentralização da gestão;


  • reputação corporativa mais consolidada;


  • redução nas falhas e possibilidades de fraudes;


  • relação mais próxima com investidores, com mais possibilidade de investimentos.


A governança corporativa ganhou tanto destaque recentemente que sua importância foi discutida até mesmo em um TED Talk, que você pode conferir a seguir:

https://www.youtube.com/watch?v=E6hWPDUUQ1w

Quais princípios de governança ESG minha empresa precisa adotar?

Para que a sua empresa consiga colher benefícios como os citados acima, há quatro pilares que deverão ser adotados pela gestão, que são:


  • prestação de contas;


  • transparência;


  • equidade;


  • responsabilidade corporativa.


Prestação de contas

“Os agentes de governança devem prestar contas de sua atuação de modo claro, conciso, compreensível e tempestivo, assumindo integralmente as consequências de seus atos e omissões e atuando com diligência e responsabilidade no âmbito dos seus papéis.”

A definição, feita pelo IBGC, já esclarece muitos pontos sobre esse pilar, não é mesmo? Mas vamos nos aprofundar um pouco mais nessa reflexão.

A prestação de contas é um importante pilar para empresas que esperam aumentar a confiança corporativa e ter parcerias positivas, seja com as equipes ou com parceiros externos.

Afinal, quanto mais informações são disponibilizadas sobre um assunto, maior a confiança entre as partes e menos os riscos de haver hostilidade e acusações que possam denegrir a reputação da organização.

Transparência

A transparência é essencial em todas as nossas relações interpessoais, inclusive entre a empresa e seus acionistas.

Segundo o Instituto, a transparência “consiste no desejo de disponibilizar para as partes interessadas as informações que sejam de seu interesse e não apenas aquelas impostas por disposições de leis ou regulamentos”. 

Equidade

Uma relação de equidade entre a empresa e seus acionistas oferece uma maior garantia de que nenhuma das partes terá privilégios ou realizará ações discriminatórias

Para reforçar esse princípio, vamos olhar para a definição do IBGC? De acordo com o Instituto, a equidade “caracteriza-se pelo tratamento justo e isonômico de todos os sócios e demais partes interessadas (stakeholders), levando em consideração seus direitos, deveres, necessidades, interesses e expectativas.”

Responsabilidade corporativa

Apesar deste ser o último pilar da lista, sua importância não deve ser menosprezada. 

Esse princípio, que tem como objetivo refletir sobre a imagem da empresa, leva a organização a olhar para os colaboradores, os cuidados com o meio ambiente, o respeito à comunidade em que a empresa está inserida e outros pontos similares.

Para o IBGC, a responsabilidade corporativa é vista como “zelar pela viabilidade econômico-financeira das organizações, reduzir as externalidades negativas de seus negócios e suas operações e aumentar as positivas, levando em consideração, no seu modelo de negócios, os diversos capitais (financeiro, manufaturado, intelectual, humano, social, ambiental, reputacional, etc.) no curto, médio e longo prazos.”


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Quais ações tomar para ter uma melhor governança em ESG na minha organização?

Alguns pontos práticos para ter uma maior governança em ESG na organização são:


  • adoção de um sistema de compliance para tomar um maior cuidado com a saúde fiscal e financeira da empresa, além de mostrar a luta contra a corrupção e os subornos;


  • investimentos no treinamento de lideranças;


  • maior transparência com os stakeholders;



Ademais, é essencial garantir que os seus parceiros também tenham esse olhar voltado para a governança. Afinal, quando um contrato é feito com um fornecedor, ele se torna uma extensão do contratante.

Por isso, é imprescindível uma verificação no formato de trabalho e nos princípios desse possível parceiro, a fim de garantir que sua organização não seja prejudicada.

E, para ajudar a sua empresa com a gestão de riscos de fornecedores e otimizar sua governança em ESG, existem softwares como a Linkana

Por meio de robôs de RPA e Machine Learning, a solução da Linkana automatiza todo o processo de homologação e de gestão de fornecedores, mitigando riscos operacionais e reputacionais de maneira simples e eficiente, agregando segurança e eficiência à sua gestão.


De qual outra forma a Linkana pode ajudar na implementação do conceito ESG?

Além das funcionalidades que acabamos de citar, a Linkana conta com a Linkana ESG Rating, ferramenta que gera pontuações de risco ambiental, social e de governança sobre os seus fornecedores.

Falando especificamente de governança em ESG, essa solução inclui análise de dados públicos e privados de situação cadastral, falimentar e combate à corrupção.

Com isso, você terá a certeza de fechar parcerias com fornecedores que seguem os mesmo princípios éticos e legais que o seu negócio, evitando atritos e comprometimento da imagem da sua marca.

Quer entender melhor sobre como a Linkana pode apoiar a governança corporativa da sua empresa? Basta preencher agora mesmo o formulário abaixo!


Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market