Resources

ESG

ESG

ESG

Normas GRI: o que são e como cumprir

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

October 16, 2023

October 16, 2023

October 16, 2023

As normas GRI são categorias usadas para dividir as informações e os resultados apresentados nos relatórios de sustentabilidade que seguem o padrão Global Reporting Initiative.

Para que o conceito fique mais claro, vale explicarmos que o relatório GRI, como é conhecido, é uma ferramenta de apoio criada para ajudar as empresas a identificarem os impactos das suas atividades nos âmbitos ambiental, social e econômico.

Por meio da elaboração e divulgação desse relatório de sustentabilidade, as companhias conseguem mensurar e compreender melhor o reflexo das atuações no meio ambiente e na vida das pessoas. Com isso, têm a chance de adotar medidas para reduzir eventuais efeitos negativos.

Partindo desse princípio, as normas GRI são os escopos definidos para a montagem do documento final. Elas podem se diferenciar de acordo com o ramo de atuação da companhia, mas, em linhas gerais, são divididas em: normas universais, normas setoriais e normas temáticas.

Siga a leitura deste artigo e confira detalhes sobre as normas, como funcionam, como fazer um relatório GRI e o impacto do indicador na cadeia de suprimentos do seu negócio.

O que são normas GRI?

As normas GRI são as categorias usadas para separar e apresentar os resultados das ações de uma organização ou governo em relatórios GRI, Global Reporting Initiative. É possível dizer também que tratam-se de normas de sustentabilidade, ou ainda, de indicadores GRI. 

Tais normas foram definidas para ajudar gestores a montarem relatórios padronizados globalmente, a fim de divulgarem o impacto das atividades corporativas nos pilares ambiental, social e econômico.

Para que servem os relatórios GRI?

Um dos principais objetivos dos relatórios GRI é auxiliar as empresas a identificar e mensurar o reflexo que suas atuações têm em questões como aquecimento global, atendimento aos direitos humanos, desenvolvimento sustentável, entre outras relacionadas.

Os resultados apurados contribuem para uma percepção melhor do quanto a companhia afeta a sociedade, a vida das pessoas (direta ou indiretamente), e o meio ambiente.

A partir da percepção obtida com a análise, os gestores têm a chance de definir e adotar medidas para melhorar a atuação do negócio e diminuir as consequências negativas.

Somado a isso, a divulgação dos relatórios GRI atribui muito mais credibilidade e confiabilidade à marca, melhorando o relacionamento com os stakeholders. Outros benefícios que podem ser obtidos são:

  • aprimoramento da gestão de riscos;

  • melhora da reputação corporativa;

  • oportunidade de fechar novos negócios;

  • fortalecimento da comunicação com acionistas e parceiros;

  • desenvolvimento de estratégias sustentáveis.

Dica! Aproveite e leia também este artigo: "Relatórios de sustentabilidade obrigatórios: quais são os requisitos de cada tipo?"

Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Como funcionam as normas GRI?

As normas GRI funcionam como divisores para uma estruturação organizada e padronizada dos relatórios de sustentabilidade.

Como comentamos logo na abertura deste artigo, podem se diferenciar conforme o ramo de atividade da empresa. Porém, em linhas gerais, as normas seguem esta divisão:

  • normas universais: aplicáveis a todos os tipos de organizações;

  • normas setoriais: têm, como base, âmbitos específicos de atuação;

  • normas temáticas: abordam somente questões características do negócio.

Para entender melhor o funcionamento dessa estrutura, imagine uma empresa que faz parte da indústria alimentícia e precisa mensurar e apresentar no relatório GRI dados sobre o consumo de água em suas atividades.

Os responsáveis pela elaboração do documento precisam encaixar o setor de atuação (indústria alimentícia) na temática que está sendo analisada (consumo de água). Na prática, ficaria mais ou menos dessa forma:

  • normas universais: dados gerais sobre a companhia;

  • normas setoriais: informações pertinentes ao ramo de atuação;

  • normas temáticas: levantamento e apresentação do impacto das atividades quanto ao tema que está sendo analisado.

Este artigo também ajudará você. Confira! "Oekom Research: o que é e como funciona o rating de sustentabilidade?"

Como fazer um relatório GRI?

Para fazer um relatório GRI, o primeiro passo é focar na sustentabilidade. Esse critério deve ser relacionado a três âmbitos principais, que são: ambiental, social e econômico.

A partir disso, o sugerido é:

  • definir indicadores de mensuração, a fim de facilitar a avaliação do desempenho sustentável do negócio;

  • identificar e analisar os impactos das atividades empresariais, embasando o GRI no ESG, isto é, nos pilares socioambientais e de governança;

  • separar as atividades conforme o nível de consequência, priorizando as de reflexos mais significativos;

  • apresentar um breve resumo da empresa, mostrando para os interessados a evolução da companhia ao longo dos anos;

  • divulgar os resultados aos stakeholders, para garantir a transparência dos processos, análises e medidas adotadas.

Qual o reflexo dos relatórios de sustentabilidade na cadeia de suprimentos?

Existem diversas vantagens de elaborar e divulgar relatórios de sustentabilidade, especialmente no padrão GRI. Algumas das que se destacam são:

  • identificar e compreender os pontos fortes e fracos da empresa, no que se refere a medidas e práticas sustentáveis;

  • melhor o relacionamento com acionistas, clientes, parceiros, investidores, entre outros agentes relacionados;

  • aprimorar a gestão de maneira geral;

  • adequar a empresa ao conceito ESG;

  • elevar o poder competitivo da marca;

  • entre outros similares.

Porém, para obter benefícios como esses, é fundamental ter em mente que não basta direcionar a atenção para o impacto das atividades específicas da companhia. 

Para bons resultados, é preciso que toda a cadeia de produção e valor siga o mesmo princípio, e isso inclui os fornecedores que formam a rede de abastecimento do negócio.

Ao trabalhar com fornecedores sustentáveis, você mitiga uma série de riscos para a sua empresa, a exemplo dos ambientais, financeiros, reputacionais e jurídicos.

E como saber se um fornecedor é sustentável ou não, de maneira prática, rápida e eficiente? O uso de softwares próprios para a atividade, como o oferecido pela Linkana, é a melhor opção.

Como a Linkana ajuda na seleção de fornecedores sustentáveis?

Entre as soluções da Linkana está o Linkana ESG Rating, sistema de classificação que avalia os riscos ambientais, sociais e de governança de um fornecedor a partir de informações relativas ao CNPJ analisado.

A ferramenta facilita o processo de gestão e análise de riscos ESG de fornecedores, por meio da criação de uma pontuação única que atesta a reputação da empresa avaliada.

Além disso, a análise envolve não somente informações da companhia, mas também dos sócios, administradores e outras partes relacionadas. Quanto maior a pontuação em cada pilar, melhor a reputação e menor o risco em fatores ESG para o seu negócio.

Confira no vídeo abaixo, com Leo Cavalcanti, como funciona o Linkana ESG Rating!

https://youtu.be/T1DmQi-JmKQ

Achou interessante e quer ter essa ferramenta na sua empresa? Então, preencha agora mesmo o formulário abaixo e converse com um dos nossos especialistas.

Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market