Sua empresa não trabalha com fornecedores sustentáveis? Descubra 4 riscos de não apostar neles

A sustentabilidade cada vez mais ganha a atenção das pessoas e enfoque nos noticiários. Entretanto, não são todas as empresas que se interessam – ou querem se interessar – por esse assunto.

O seu negócio está funcionando bem e atingindo as metas esperadas, então por que se preocupar em ter fornecedores sustentáveis? Porque você pode estar colocando sua empresa em risco.

Não praticar a sustentabilidade dentro do seu negócio pode acarretar em problemas que vão desde advertências até mesmo multas que podem chegar a R$ 50 milhões. Por isso, continue a leitura e entenda quais são os riscos de não apostar em fornecedores sustentáveis para decidir se esse caminho é mesmo válido para o seu negócio.

Quais são os riscos de não apostar nos fornecedores sustentáveis?

Perda de competitividade

Vamos começar o texto falando sobre algo que a maioria, senão todas as pessoas, prestam atenção: dinheiro. Se você pensa que sustentabilidade é algo que irá custar caro para a sua empresa, já parou para pensar nas perdas que você pode ter por não levantar essa bandeira no seu negócio?

No painel “Melhores Práticas para os Desafios Socioambientais”, realizado pelo Estadão, a presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), Marina Grossi, comentou que esse olhar das empresas para a sustentabilidade é um reflexo da tendência de aumento no consumo consciente. Isso também se tornou uma vantagem competitiva que pode até mesmo influenciar na lucratividade. 

“O desenvolvimento sustentável entrou definitivamente na conta da competitividade internacional. O setor privado se organizou e se comprometeu com a sustentabilidade. Muitas empresas buscam as melhores práticas, compartilham experiências e, em seu portfólio, a área de sustentabilidade cresce mais do que as áreas tradicionais”.

Enquanto as empresas que apostam na sustentabilidade ganham espaço no mercado, as que evitam levar essa mentalidade para a empresa podem sofrer prejuízos financeiros – e existem dados que corroboram essa afirmação.

Em uma pesquisa feita pela Opinion Box, 58% das pessoas entrevistadas afirmaram que não comprariam de uma empresa que está envolvida em casos de trabalho escravo. As empresas conhecidas por poluir o meio ambiente e envolvidas em casos de corrupção também perdem os negócios de 52% e 50% dos entrevistados.

Já o número de entrevistados que não se importam com nenhum desses fatores? Apenas 7%.

Danos reputacionais 

Os danos reputacionais são outro risco que sua empresa pode correr caso não se importe em trabalhar com fornecedores que não são sustentáveis. No item anterior comentamos sobre os 58% de entrevistados que não gostariam de comprar de empresas envolvidas em casos de trabalho escravo, certo? 

Um exemplo que ilustra perfeitamente esse cenário aconteceu com uma das maiores construtoras do País. Após ser incluída na “lista suja” do Ministério do Trabalho por uma denúncia envolvendo trabalho análogo à escravidão, a empresa registrou quedas de até 4,17% na Bolsa de Valores.

A reputação possui um importante papel dentro das empresas e a sustentabilidade pode ser uma grande influência positiva ou negativa. 

A Consultoria Dinamus projetou o impacto de eventos negativos em empresas com menor e maior risco de enfrentar problemas socioambientais e de acordo com o levantamento, as companhias mais sustentáveis sofreriam uma depreciação menor na cotação de suas ações caso viessem a enfrentar uma crise. 

No setor da construção civil, por exemplo, que foi citado acima, as empresas menos sustentáveis poderiam perder 51% do valor de mercado em meio a um problema desta natureza, enquanto as mais sustentáveis teriam uma depreciação de apenas 5,4%.

Sanções administrativas

Você sabia que existe uma Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98)? Criada para abordar a responsabilidade administrativa ambiental, seu objetivo é conseguir que irregularidades ambientais sejam apuradas e punidas na própria esfera administrativa, sem necessariamente recorrer ao Poder Judiciário.

E de acordo com o artigo 2º da lei, “(…) quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes previstos nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida da sua culpabilidade, bem como o diretor, o administrador, o membro de conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoa jurídica, que, sabendo da conduta criminosa de outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para evitá-la”.

Isso significa que a penalidade não é apenas para os autores, como também os coautores da infração ambiental. O artigo 72 dessa lei afirma que as sanções administrativas que podem ser aplicadas variam desde advertências e multas de até R$ 50 milhões como até mesmo a suspensão parcial ou total de atividades.

Perda de certificações

Imagine que um de seus fornecedores apresente algum problema ou irregularidade na produção das matérias-primas que você adquire mensalmente para a sua empresa. Sabe quem pode ser responsabilizado pelos danos, prejuízos ou infrações que ocorrerem durante a execução do contrato? Seu negócio!

De nada adianta sua empresa ter certificações como as licenças ambientais diversas ou autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e atender normas como a NR-09 com o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA se você trabalha com fornecedores que não são sustentáveis e que podem levar a sua empresa a ser multada.

Por isso, é importante não só trabalhar com fornecedores sustentáveis, mas também garantir que eles estão realizando seus processos pensando no meio ambiente. Essas certificações, por exemplo, podem ser uma ótima garantia e que você não só pode, como deve, solicitar ao realizar a homologação de fornecedores.

É na homologação e na qualificação de fornecedores que é possível evitar erros e fraudes, por meio de consultas públicas e emissão de certidões corporativas. E com softwares de automação é possível inclusive realizar um monitoramento de fornecedores e Compliance permanente, com certidões, consultas e documentos automaticamente renovadas pelos robôs, tornando o processo muito mais rápido e simples.

Como escolher fornecedores sustentáveis para a minha empresa?

Ter fornecedores sustentáveis significa ter mais eficiência e segurança enquanto, simultaneamente, você pode oferecer um produto mais ético aos consumidores finais. E se você deseja ter esses benefícios nas suas parcerias, algumas das ações que você pode tomar são:

  • Se informar sobre as licenças regulatórias e ambientais do fornecedor
  • Fazer uma análise de risco e de Compliance adequada à categoria de fornecimento ou tipo de serviço prestado
  • Conhecer os processos sustentáveis do fornecedor, como gerenciamento de resíduos, redução de consumo de recursos naturais,responsabilidade social empresarial e políticas de diversidade
  • Verificar questões de governança corporativa e conduta do fornecedor

A sustentabilidade foi até mesmo assunto de um TEDx Talk, que você pode conferir no vídeo abaixo:

Agora que você sabe todos os riscos de não apostar nos fornecedores sustentáveis, você acredita que ainda é válido optar por evitar esses parceiros ou acredita que, com eles, seu negócio se tornará mais seguro e responsável?

Leo Cavalcanti

Leo Cavalcanti

Advogado, especialista em Planejamento Tributário e Finanças, soma mais de 05 anos de experiência com rotinas de auditoria empresarial e tributária, além de conhecimento em controladoria e práticas de departamento jurídico corporativo. Atualmente é CEO e um dos co-fundadores da Linkana.