Resources

Compliance

Compliance

Compliance

Controles internos: como afetam a gestão de fornecedores?

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

November 6, 2023

November 6, 2023

November 6, 2023

Os controles internos podem ser definidos como um conjunto de atividades administrativas, métodos, procedimentos, medidas e boas práticas empresariais que têm, por objetivo, proteger o negócio de variados riscos, a exemplo dos financeiros, trabalhistas, regulatórios, tributários, entre outros.

Um dos principais propósitos da prática é melhorar a gestão da empresa. Assim, as ações e decisões tomadas ajudam a alcançar os objetivos previamente determinados, sem que esse trajeto gere qualquer tipo de prejuízo para a companhia.

Porém, para chegar ao resultado desejado, é fundamental que todas as frentes da organização sejam contempladas. Isto é, não basta implementar bons controles na área financeira, por exemplo, e deixar de lado o RH ou o departamento jurídico.

Quanto a isso, é bem importante você ter em mente que controles internos e compliance estão diretamente relacionados e vinculados. Portanto, as práticas adotadas precisam estar respaldadas e se alinhar às leis e normas vigentes para o setor de atuação da companhia.

Somado a esse ponto, é primordial pensar, também, nos agentes externos necessários para a empresa funcionar adequadamente, a exemplo dos fornecedores. Aqui, é preciso destacar que esses parceiros geram uma série de riscos para o seu negócio, os quais devem ser pontualmente identificados e mitigados.

E de qual maneira isso pode ser feito? Qual a importância dos controles internos para compliance e gestão de fornecedores? Siga a leitura deste artigo e confira, agora mesmo, as respostas para essas e outras questões sobre o tema.

O que são controles internos?

Controles internos são práticas, medidas, metodologias, políticas, procedimentos e atividades administrativas definidas e implementadas com o propósito de melhorar a gestão e proteger a empresa de variados riscos, internos e externos, que podem comprometer seu crescimento, sucesso e rentabilidade.

É possível dizer, ainda, que tais controles são como ferramentas gerenciais, usadas para identificar, prevenir e mitigar ameaças, tais como as voltadas para questões éticas, legais e de conformidade.

Por conta dessa característica, os controles definidos e empregados internamente têm, como principais objetivos, estruturar a gestão da companhia, de modo que esse gerenciamento ajude a alcançar mais e melhores resultados. Também faz parte de seu escopo criar e garantir um ambiente de governança corporativa.

Dica! Aproveite e leia também: "Conheça os 4 pilares da governança corporativa adotados por multinacionais e quais seus benefícios"


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.


5 exemplos de controles internos 

Para que o conceito sobre o que são controles internos fique mais claro, vale usarmos alguns exemplos. São eles:

  • criação de código de conduta e ética: trata-se de um documento com regras e padrões de comportamento que devem ser seguidos por todos os funcionários, independentemente do cargo, e também por terceiros, como prestadores de serviço e fornecedores;

  • oferta de capacitação e treinamentos: servem tanto para capacitar os profissionais quanto como veículos para colocar o código de ética e conduta em prática e, assim, alimentar a cultura da empresa;

  • implementação de um canal de denúncia: confere transparência para a companhia e ajuda a identificar, em menos tempo, práticas ilegais, tais como envolvimento em processos de suborno, desvio ou lavagem de dinheiro, entre outros crimes e golpes similares;

  • realização de auditorias internas: também ajudam a gerar mais transparência e a identificar possíveis fraudes em menos tempo, além a garantir que a empresa cumpra diversos requisitos legais e, com isso, se mantenha em compliance;

  • garantia de privacidade de dados: está diretamente relacionado ao atendimento à LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados, que, além garantir a conformidade da companhia, protege adequadamente clientes e parceiros de negócio, evitando problemas de relacionamento que acabam afetando a lucratividade da empresa.

Aproveite e leia também: "LGPD de fornecedores: 4 maneiras de reduzir os riscos na sua empresa"

Qual a importância dos controles internos?

Como você pôde ver, os controles são importantes porque melhoram a gestão da empresa, mas, principalmente, porque protegem o negócio de uma série de riscos. Ao definir e implementar controles mais precisos, é possível atingir objetivos administrativos como:

  • melhorar o gerenciamento dos ativos da companhia;

  • manter a empresa em compliance;

  • reduzir a vulnerabilidade dos processos;

  • identificar rapidamente, ou mesmo evitar, condutas e práticas ilícitas;

  • constatar o descumprimento de normas, regras e políticas;

  • aprimorar a gestão de terceiros, tais como os fornecedores;

  • elevar o nível de transparência, confiança e credibilidade da marca perante aos stakeholders.

Qual o papel dos controles internos no compliance?

O papel dos controles internos no compliance é garantir o atendimento às leis e normas, bem como proteger a companhia de riscos que podem afetar o cumprimento das legislações, sejam essas ameaças internas ou externas.

Nesse cenário, os critérios e áreas que merecem sua atenção são:

  • financeira: visa mitigar fraudes e golpes monetários, desvio de valores, má gestão financeira, erros nas demonstrações contábeis, lavagem de dinheiro, corrupção e outras práticas ilícitas relacionadas;

  • trabalhista: tem, por objetivo, garantir o atendimento às leis do trabalho, tanto da empresa quanto de seus parceiros de negócios, como os fornecedores;

  • tributário: assim como o trabalhista, busca garantir o cumprimento das obrigações fiscais, o pagamento de tributos, evitar sonegação e outras ações relacionadas à empresa e a seus públicos de interesse;

  • reputacional: ajuda a evitar a relação do nome da sua marca com outras que não atuam de forma ética, legal ou transparente e que, por esse motivo, podem afetar seus processos e o relacionamento com clientes, investidores, e outros stakeholders;

  • responsabilidade social: ajuda a mitigar riscos sociais, tais como desrespeito aos direitos humanos, comportamentos discriminatórios, realização de atividades empresariais que afetam a saúde das pessoas e a sociedade, entre outras.

Este artigo, certamente, ajudará você. Por isso, não deixe de ler: "Responsabilidade social corporativa na gestão de fornecedores importa?"



Qual a importância dos controles internos na gestão de fornecedores? 

Na gestão de fornecedores, os controles internos também ajudam a mitigar riscos. No caso, aqueles que são inerentes a esse tipo de contratação.

Os riscos ESG de fornecedores, por exemplo, podem comprometer a imagem e o fluxo operacional da sua empresa devido a três conceitos distintos: ambiental, social e de governança.

Ao trazer ou manter, na sua cadeia de suprimentos, empresas fornecedoras que não trabalham sob boas práticas ESG — ou seja, que desrespeitam leis ambientais, direitos humanos, transparência de processos, entre outras — você compromete a imagem da sua marca, elevando as chances de perdas financeiras.

Isso acontece, principalmente, quando as condutas dos fornecedores são incompatíveis com os princípios do seu negócio e dos seus clientes. Ao saberem dessas práticas, eles tendem a migrar para correntes que não atuam de igual maneira.

O mesmo vale para investidores, parceiros de negócios, funcionários, colaboradores ou mesmo outros fornecedores.

E como saber se as empresas fornecedoras que estão na sua base, ou que pretende contratar, estão em compliance? A melhor forma é contar com a ajuda da tecnologia para avaliar documentações e calcular pontualmente os riscos.

Como a Linkana ajuda a verificar a atuação dos fornecedores?

A Linkana é a primeira fundação de dados de fornecedores compartilhada do Brasil. Nossa base de dados de perfis universais de fornecedores permite que compradores analisem e homologuem potenciais parceiros de negócios em alguns cliques. 

Com isso, aceleramos radicalmente os processos de onboarding, de análise e de monitoramento de fornecedores — graças aos dados dos fornecedores já preenchidos por eles ou por outra empresa —, permitindo o uso de informações e insights compartilhados entre as maiores corporações do nosso país.

Os riscos ESG de fornecedores, por exemplo, podem ser mensurados com a ajuda do Linkana ESG Rating, solução para análise automática de riscos de indicadores ESG

A análise é realizada por meio de pontuações atribuídas aos critérios ambiental, social e de governança, que se baseiam em dados públicos e documentos  apresentados pelos próprios fornecedores.

Confira, no vídeo abaixo, com Leo Cavalcanti, mais detalhes sobre o funcionamento e as vantagens do Linkana ESG Rating!

https://youtu.be/T1DmQi-JmKQ?si=7Y4YDtFY99lmxLqG

E para levar essa e outras funcionalidades da Linkana para a sua empresa, basta preencher agora mesmo o formulário abaixo!


Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market