Conheça os 4 pilares da governança corporativa adotados por multinacionais e quais seus benefícios

A governança corporativa exige tempo, dedicação e compromisso de toda a organização para que a empresa se transforme em um ambiente justo e transparente, onde todos entendam suas atribuições e se responsabilizem por suas ações.

É com os quatro pilares da governança corporativa que problemas como corrupção, má administração e desperdício poderão ser extintos, abrindo espaço para um desempenho empresarial sustentável e sólido. 

Mas quais são esses pilares da governança corporativa que garantem esse aprimoramento da rotina e dos processos corporativos? Continue a leitura e descubra!

Quais são os princípios de governança corporativa?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), os princípios de governança corporativa, que também podem ser chamados de pilares da governança corporativa, podem ser resumidos em 4 tópicos: 

  • Transparência (Transparency);
  • Equidade (Fairness);
  • Prestação de Contas (Accountability);
  • Responsabilidade Corporativa (Independent assurance/responsibility).

Esses quatro pilares são um ótimo resumo do conceito de governança corporativa, nome dado ao conjunto de práticas aplicadas na rotina organizacional a fim de alinhar as normas e leis do mercado com as metas e expectativas de uma empresa.

Ademais, segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), a governança corporativa ajuda a alinhar os interesses e objetivos dos stakeholders para tornar menos turbulenta as relações internas e externas da organização.

Esse, inclusive, é um dos maiores desafios atualmente nas organizações. Não só conquistar espaços positivos na preferência dos investidores e da opinião pública, com a governança também é possível ter mais garantia da continuidade dos negócios.

Quais empresas utilizam a governança corporativa?

Empresas como Natura, Ambev, Grupo Boticário, Bradesco e Magazine Luiza colocaram um olhar tão aprofundado e sério na governança corporativa que conquistaram as 5 primeiras colocações em um ranking da consultoria espanhola Merco (Monitor Empresarial de Reputação Corporativa).

Na pesquisa foram analisados os 4 pilares de governança, além de serem feitas entrevistas com stakeholders e gestores das organizações. Confira as 10 empresas melhor avaliadas em governança:

1º lugar – Natura

2º lugar – Ambev

3º lugar – Grupo Boticário

4º lugar – Bradesco

5º lugar – Magazine Luiza

6º lugar – Itaú Unibanco

7º lugar – Avon

8º lugar – Nestlé

9º lugar – Coca-Cola

10º lugar – Google

Como os 4 pilares da governança corporativa influenciam a rotina corporativa?

Com o conceito de governança corporativa melhor explanado, será mais fácil entender como esses 4 pilares atuarão dentro da organização. Vamos conhecê-los mais a fundo?

1º pilar da governança corporativa: transparência (transparency)

Quando falamos de governança corporativa, esse pilar é o que provavelmente já fará parte dos processos da sua organização.  

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, a transparência é o “desejo de disponibilizar para as partes interessadas as informações que sejam de seu interesse e não apenas aquelas impostas por disposições de leis ou regulamentos”.

Ou seja, ser transparente não é apenas informar aos stakeholders dados financeiros, mas sim todas informações relevantes. Desde decisões de impacto até a lista de fornecedores, tudo deve estar disponível e de fácil acesso às partes interessadas.

2º pilar da governança corporativa: equidade (fairness)

As brigas de poder dentro das organizações não só resultam em problemas financeiros e reputacionais, como também desestabilizam a organização e criam um ambiente de trabalho hostil e incerto.

É nesse problema que a equidade entra em ação dentro da governança corporativa. Segundo a IBGC, ela pode ser explicada como o “tratamento justo e isonômico de todos os sócios e demais partes interessadas (stakeholders), levando em consideração seus direitos, deveres, necessidades, interesses e expectativas”.

3º pilar da governança corporativa: prestação de contas (accountability)

Da mesma maneira que todo colaborador deve prestar contas para os seus coordenadores sobre suas produções e rotina, todos os envolvidos na governança corporativa devem assumir sua atuação dentro da organização.

“…prestar contas de sua atuação de modo claro, conciso, compreensível e tempestivo, assumindo integralmente as consequências de seus atos e omissões e atuando com diligência e responsabilidade no âmbito dos seus papéis”, reforça a definição do IBGC.

4º pilar da governança corporativa: responsabilidade corporativa (independent assurance/responsibility)

Não é porque deixamos esse pilar da governança corporativa por último que ele é de menor importância na rotina organizacional. 

Na responsabilidade corporativa, nosso olhar se volta para a “viabilidade econômico-financeira das organizações, reduzir as externalidades negativas de seus negócios e suas operações e aumentar as positivas, levando em consideração, no seu modelo de negócios, os diversos capitais (financeiro, manufaturado, intelectual, humano, social, ambiental, reputacional, etc.) no curto, médio e longo prazos”.

Quais os benefícios da governança corporativa?

Durante a leitura já foi possível encontrar uma série de benefícios da governança corporativa. Mas também trouxemos alguns pontos adicionais para lhe ajudar a compreender ainda mais a relevância desse sistema. São eles:

  • Criação de um planejamento estratégico mais organizado e melhor elaborado;
  • Consolidação da reputação corporativa diante os colaboradores, fornecedores e investidores;
  • Geração de novas oportunidades de investimentos e negócios;
  • Redução nas falhas e fraudes corporativas;
  • Maior eficiência nos processos internos;
  • Descentralização da gestão;
  • Melhor relação com investidores e stakeholders.

Não deixe de investir nos pilares da governança corporativa

Se a sua corporação se preocupa com pontos como credibilidade e longevidade, os pilares da governança corporativa devem se tornar “regras” dos processos organizacionais. Com eles, a gestão se torna mais transparente, os rendimentos ficam mais seguros e os stakeholders melhor adequam suas expectativas as da organização.

E para conquistar todos esses benefícios, existem softwares que podem ajudar. Um software de homologação de fornecedores automatizado, como a Linkana, pode te ajudar muito a concretizar boas práticas de governança, riscos e compliance, além de integrar processos e aumentar a transparência interna da sua empresa.

O software da Linkana automatiza todo o processo de homologação e gestão de fornecedores, mitigando riscos operacionais e reputacionais de maneira simples e eficiente, agregando segurança e eficiência à sua gestão e protegendo a sua reputação.

Quer entender mais sobre como a Linkana pode apoiar a governança corporativa da sua empresa? Fale com um de nossos especialistas!

Leo Cavalcanti

Leo Cavalcanti

Advogado, especialista em Planejamento Tributário e Finanças, soma mais de 05 anos de experiência com rotinas de auditoria empresarial e tributária, além de conhecimento em controladoria e práticas de departamento jurídico corporativo. Atualmente é CEO e um dos co-fundadores da Linkana.