Resources

ESG

ESG

ESG

Pacto Global da ONU: qual a importância e objetivos?

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

August 18, 2023

August 18, 2023

August 18, 2023

O Pacto Global da ONU, Organização das Nações Unidas, é um chamamento para as empresas de todo o mundo alinharem suas estratégias, abordagens e operações aos dez princípios universais definidos pela entidade.

A partir do momento em que uma companhia adere a esse pacto, se compromete a segui-lo em todas as suas operações diárias.

Apesar de não ser uma adesão obrigatória, o Pacto Global da ONU é uma iniciativa bastante interessante para os negócios, pois contribui para que as atividades econômicas sejam realizadas de acordo com as boas práticas ESG.

Essa postura, além de colaborar com a preservação do meio ambiente e da vida humana e animal, de modo geral, também ajuda a melhorar o relacionamento com consumidores, investidores, a sociedade e demais agentes que, direta ou indiretamente, influenciam na existência da companhia.

Assim, é possível dizer que essa iniciativa tem relação direta com ratings de sustentabilidade e, por isso, pode ajudar o planeta e as empresas de diversas maneiras. 

Siga a leitura deste artigo e confira, agora, o que é o Pacto Global da ONU, quais são os seus princípios, como o compromisso acontece no Brasil, seu objetivo e a relação de todos estes pontos com o aprimoramento da gestão da sua empresa.

O que é o Pacto Global da ONU?

O Pacto Global da ONU é um convite para que companhias de todo o mundo alinhem suas operações e processos aos dez princípios universais definidos por essa organização.

Esses preceitos são derivados das seguintes declarações:

  • Declaração Universal de Direitos Humanos;

  • Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho;

  • Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento;

  • Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção.

Juntos, os documentos estruturam estas diretrizes de atuação corporativa:

  • princípios universais de direitos humanos:

  • apoio e respeito a esses direitos, que são reconhecidos internacionalmente;

  • garantia da não-participação em crimes de direitos humanos e outras violações relacionadas.

  • princípios universais de trabalho:

  • apoio à liberdade dos funcionários a se associarem, bem como o reconhecimento do direito a negociações coletivas;

  • eliminação de toda e qualquer forma de trabalho compulsório ou forçado, a exemplo de uso de trabalho escravo;

  • abolição real do trabalho infantil;

  • eliminação de qualquer tipo de discriminação no ambiente corporativo.

  • princípios universais do meio ambiente:

  • apoio a abordagens preventivas de enfrentamento a desafios ambientais;

  • desenvolvimento de iniciativas que promovam o aumento da responsabilidade ambiental;

  • incentivo e difusão do desenvolvimento de tecnologias ambientais amigáveis.

  • princípios de anticorrupção:

  • combate ativo de toda e qualquer prática corruptiva, incluindo propina e extorsão.

Aproveite e leia também: "Corrupção de fornecedores: quais impactos gera para o seu negócio?"



Qual o objetivo do Pacto Global da ONU?

O objetivo do Pacto Global da ONU é fornecer diretrizes que viabilizem o crescimento sustentável e de cidadania das empresas, por meio da construção de lideranças corporativas inovadoras e comprometidas.

Lançado em 2000 por Kofi Annan, secretário-geral das Nações Unidas na época, esse é um plano de ação que fomenta processos curtos, mas essenciais para mudanças profundas no gerenciamento mundial de negócios.

Como dissemos logo na abertura deste artigo, a adesão ao pacto é voluntária, visto que não se trata de um código de conduta obrigatório a ser seguido pelas organizações, e nem de um instrumento regulatório.

Todavia, uma vez que uma empresa adere ao compromisso, suas atividades devem contribuir para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Parte de agenda 2030 da organização, a essência dos ODS defende que, até o ano de 2030, a atuação de governos e companhias deve ajudar a alcançar os seguintes objetivos:

1. Erradicação da pobreza;

2. Fome zero e agricultura sustentável;

3. Saúde e bem-estar;

4. Educação de qualidade;

5. Igualdade de gênero;

6. Água potável e saneamento;

7. Energia limpa e acessível;

8. Trabalho decente e crescimento econômico;

9. Indústria, inovação e infraestrutura;

10. Redução das desigualdades;

11. Cidades e comunidades sustentáveis;

12. Consumo e produção responsáveis;

13. Ação contra a mudança global do clima;

14. Vida na água;

15. Vida terrestre;

16. Paz, justiça e instituições eficazes;

17. Parcerias e meios de implementação.

Extra! O artigo "Escravidão moderna praticada por fornecedores: o que é e como acabar?" tem relação com esse tema e também pode ajudar você. Por isso, não deixe de conferir!

Como funciona esse pacto no Brasil?

No Brasil, o Pacto Global da Organização das Nações Unidas foi criado em 2003, por meio da estruturação da Rede Brasil, que responde à sede do pacto que fica em Nova York. 

A Rede Brasil também preside o Conselho das Redes Locais na América Latina, conjunto de outras entidades latino-americanas incluídas nesse ecossistema.

O principal objetivo da atuação do nosso país nesse contexto é transformar estratégias empresariais em ações sustentáveis em favor de um Brasil melhor para todos.

Para chegar a esse resultado, os projetos conduzidos por aqui são desenvolvidos de duas formas:

  • Plataforma de ação: contempla iniciativas voltadas para ações agrosustentável, direitos humanos, clima, água, práticas anticorrupção, comunicação, engajamento e ODS;

  • Programas internacionais: definição do papel dos CFOs no desenvolvimento de finanças corporativas sustentáveis em longo prazo, alinhadas aos ODS, programa de jovens inovadores, aprendizado de sustentabilidade, entre outras iniciativas.

Vale destacar que a Rede Brasil é a terceira maior do mundo, com mais de 1,5 mil membros, e mais de 40 projetos conduzidos, com foco nos temas:

  • anticorrupção;

  • direitos humanos e trabalho;

  • alimentos e agricultura;

  • água e saneamento;

  • engajamento e comunicação;

  • energia e clima.

Sugestão de leitura: "Quais medidas ESG no setor de energia são relevantes? Confira"


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.


Como saber se uma empresa faz parte do Pacto Global da ONU?

Para saber se uma empresa faz parte do Pacto Global da Organização das Nações Unidas, basta acessar a página oficial do projeto e realizar a pesquisa, que pode ser feita pelo nome da companhia, tipo, setor, iniciativa, entre outros critérios.

Já os negócios que têm interesse em aderir precisam preencher a carta modelo do acordo, que deve ser assinada pelo executivo principal da companhia, fazer o cadastro e anexar a carta em questão. Todo esse processo deve ser feito no site da Rede Brasil.

Tenha em mente, porém, que, quando o assunto são ratings de sustentabilidade, existem outras maneiras de verificar o comprometimento de seus parceiros de negócio com essa prática.

O Linkana ESG Rating, por exemplo, é uma ferramenta que mensura ações ESG adotadas por empresas fornecedoras.

Como funciona o Linkana ESG Rating?

O Linkana ESG Rating é uma solução de análise de riscos ambientais, sociais e de governança que um fornecedor pode trazer para o seu negócio quando há relação de parceria comercial.

Por meio da verificação automática de dados, informações e documentos apresentados pelos próprios fornecedores, essa ferramenta da Linkana revela potenciais ameaças que podem afetar negativamente a sua empresa.

Neste vídeo com Leo Cavalcanti, CEO e cofundador da Linkana, você confere outros detalhes sobre o funcionamento do Linkana ESG Rating! 

https://www.youtube.com/watch?v=T1DmQi-JmKQ&t=1s

Achou interessante e quer usar esse recurso para aprimorar a sua gestão de fornecedores? Então preencha agora mesmo o formulário abaixo!


Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market