Resources

ESG

ESG

ESG

Programa Brasileiro GHG Protocol: como funciona e qual a importância?

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

August 17, 2023

August 17, 2023

August 17, 2023

O Programa Brasileiro GHG Protocol é uma iniciativa que tem, como objetivo, orientar a gestão voluntária de gases de efeito estufa por parte das empresas brasileiras.

Entre os propósitos do programa, destacamos o fortalecimento da capacidade técnica e institucional das organizações para a contabilização e a emissão de relatórios de níveis organizacionais, com resultados provenientes do gerenciamento da emissão desses tipos de gases.

Segundo o relatório anual do projeto, que aponta os resultados do ciclo de 2022, o ano fechou com 305 organizações participantes e 671 inventários publicados em sua plataforma oficial denominada RPE, Registro Público de Emissões. O número representa um aumento participativo de 59% se comparado a 2021.

Afinal, por quais motivos as empresas brasileiras têm se interessado em participar de ações desse tipo? Um deles é a possibilidade de gerar dados públicos qualificados, que podem ser consultados livremente por seus stakeholders e, com isso, aprimorar os relacionamentos comerciais.

Aqui, parte-se do princípio de que boas práticas ESG são esperadas e bem-vistas por consumidores, investidores, parceiros de negócio e demais agentes que têm relação direta ou indireta com a companhia.

Ao atender a essas expectativas — que passam pela redução da emissão de gases de efeito estufa —, é possível melhorar a imagem da marca, elevar seu poder de atração e fidelização, aumentar o faturamento e ainda colaborar com a proteção do meio ambiente.

Confira agora, com detalhes, o que é o Programa Brasileiro GHG Protocol e qual o reflexo de suas iniciativas no seu negócio.

O que é o Programa Brasileiro GHG Protocol?

O Programa Brasileiro GHG Protocol é uma iniciativa que tem por objetivo promover a geração voluntária de inventários de gases de efeito estufa (GEE).  Eles acontecem a partir do resultado de ações voltadas para aprimoramento da gestão de emissão desses gases, e do gerenciamento de carbono emitido por empresas brasileiras.

Criado em 2008, o programa foi desenvolvido pelo FGVces, o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, e pela WRI, World Resources Institute, organização não governamental ambientalista e conservacionista. 

Além disso, o projeto tem parceria com o Ministério do Meio Ambiente, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), o World Business Council for Sustainable Development (WBSCD) e mais 27 empresas fundadoras.  

O intuito do programa é estimular a prática e a cultura corporativa de geração de inventários de emissão de GEE por companhias nacionais.

Com isso, é possível proporcionar aos participantes acesso a padrões e instrumentos de qualidade internacional para a contabilização, formulação e divulgação de levantamentos de dados na plataforma RPE, citada no início deste artigo.

O PBGHG, sigla do programa, também capacita as companhias participantes na elaboração dos inventários GEE. Até 2022, mais de 1.600 profissionais já haviam sido treinados, conforme apontado no relatório anual que mencionamos.



Como funciona o Programa Brasileiro GHG Protocol?

O Programa Brasileiro GHG Protocol funciona por meio do fornecimento de diretrizes e metodologias para a contabilização e a geração de relatórios de emissões de GEE às empresas que são membros da iniciativa.

O PBGHG é uma adaptação do método GHG Protocol ao cenário brasileiro. Trata-se de um conjunto de orientações, normas, padrões e treinamentos, direcionado para organizações e governos para ajudá-los a mensurar e gerenciar corretamente o peso de suas atividades no aquecimento global.

Para tanto, o GHG Protocol contempla modelos de padronização de emissão e remoção de gases de efeito estufa. A ideia é incluir todo o setor corporativo e sua cadeia de valor nessa prática, abrangendo processos, ciclo de vida dos produtos comercializados, entre outras frentes relacionadas.

O Programa Brasileiro GHG Protocol segue esses princípios e, com isso, traz para as empresas brasileiras padrões internacionais de contabilização e publicação de inventários.

Outro resultado obtido é o fomento à construção de uma agenda de enfrentamento às mudanças climáticas decorrentes de suas atividades econômicas.

Dica! Não deixe de ler este artigo: "Carbon Disclosure Project (CDP): como funciona em supply chain?"

Qual a importância da gestão de carbono para as empresas?

A gestão de carbono pode ser definida como a adoção de protocolos e práticas que ajudam as empresas a gerarem o mínimo possível de CO2 na realização de suas atividades.

Esse gerenciamento, portanto, contribui para que as companhias se comprometam com o impacto que causam no meio ambiente — neste caso, especificamente, ao aumento do efeito estufa no planeta.

Apenas para deixar a relevância desse conceito mais clara, vale lembrar que o efeito estufa é um fenômeno atmosférico natural, necessário para a manutenção da vida na Terra, visto que é o responsável por controlar sua temperatura.

O problema surge quando ações humanas geram desequilíbrio nesse efeito, como o aquecimento global, que resulta em uma série de mudanças na natureza e, consequentemente, na vida de todos os seres.

Uma forma de evitar resultados como esses é justamente o controle sobre a emissão de gases de efeito estufa, a exemplo do dióxido de carbono, do gás metano e do óxido nitroso.

Nesse contexto, cabe às organizações de todo o mundo ajustarem seus processos para que gerem o mínimo de impacto possível ao meio ambiente. E uma forma de mensurar essa implicação é por meio de iniciativas como o Programa Brasileiro GHG Protocol e pelo acompanhamento de ratings de sustentabilidade. 


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.


Como verificar se fornecedores seguem gestão de carbono?

Não basta seu negócio prezar por uma gestão de carbono eficiente. Para esse fluxo realmente ser completo, é essencial que seus parceiros também sigam esse mesmo princípio, a exemplo dos fornecedores que compõem sua cadeia de fornecedores.

Quanto a isso, tenha em mente que a forma de trabalho das empresas fornecedoras contratadas tem impacto direto nos resultados e na imagem da sua companhia.

Por exemplo, quando essas não se comprometem com boas práticas ESG, podem sofrer multas e penalidades legais de órgãos fiscalizadores, como aquelas decorrentes de descumprimento de leis ambientais, desmatamento descontrolado, poluição do ar, mares e rios e outros.

Situações como essas afetam a saúde financeira do fornecedor, o fluxo produtivo e, dependendo da gravidade, podem levar até à suspensão parcial ou total das atividades. 

Ao manter um relacionamento comercial com essa empresa fornecedora, a sua aumenta riscos financeiros, reputacionais, jurídicos, de desabastecimento, entre outros relacionados.

Uma forma de evitar transtornos como o que vimos acima é verificar os ratings de sustentabilidade dos fornecedores que pretende trazer para a sua rede de abastecimento

Para realizar essa análise de forma rápida e eficiente, contar com a ajuda da tecnologia é fundamental.

Como a Linkana ajuda a verificar ratings de sustentabilidade?

A Linkana é a primeira fundação de dados de fornecedores compartilhada do Brasil. Nossa base de dados de perfis universais de fornecedores permite que compradores busquem, analisem e homologuem potenciais parceiros comerciais em alguns cliques. 

Assim, aceleramos radicalmente os processos de onboarding, de análise e de monitoramento de fornecedores — graças aos dados já preenchidos por eles ou por outra empresa —, permitindo o uso de dados e insights compartilhados entre as maiores corporações do nosso país.

Entre as soluções oferecidas está o Linkana ESG Rating, ferramenta de análise de riscos relacionados a práticas socioambientais e de governança.

O Linkana ESG Rating considera dados, informações e documentos apresentados pelos próprios fornecedores para mensurar as potenciais ameaças que eles podem gerar para o seu negócio no que se refere aos 3 pilares (Ambiental, Social e de Governança).

No vídeo abaixo, com Leo Cavalcanti, você confere mais detalhes sobre o funcionamento dessa ferramenta da Linkana!

https://www.youtube.com/watch?v=T1DmQi-JmKQ&t=1s

Achou interessante e quer a nossa solução na sua empresa? Então, basta preencher agora mesmo o formulário abaixo!


Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market