Resources

Compliance

Compliance

Compliance

Comitê de auditoria: o que é, como funciona e como implantar

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

August 9, 2021

August 9, 2021

August 9, 2021

Entre os princípios da governança corporativa, podemos destacar a transparência e accountability (prestação de contas) como fatores altamente relevantes para assegurar a credibilidade de uma organização empresarial.

Nesse contexto, a realização de auditorias internas e externas ganha força e promove ainda o surgimento de um outro mecanismo de grande importância no mundo corporativo, que é o comitê de auditoria.

Responsáveis por executar diversas tarefas e estabelecer uma conexão segura entre o conselho administrativo e os auditores atuantes na verificação dos controles internos, a aplicação do comitê de auditoria é estimulada e obrigatória em certos casos, considerando principalmente empresas com ativos na Bolsa de Valores.

Neste artigo, iremos compreender melhor o que é o comitê de auditoria, como ele surgiu no meio empresarial, quais suas responsabilidades principais e qual o roteiro mais indicado para sua implantação. Boa leitura!

O que é um comitê de auditoria?

De modo geral, podemos definir o comitê de auditoria como um órgão controlador que responde ao Conselho Administrativo de uma empresa, atuante na supervisão de processos de auditoria e prestação de contas a fim de garantir a sua credibilidade e segurança.

Por ser subordinado diretamente ao Conselho Administrativo, sua principal função é supervisionar processos internos, bem como auditorias externas. 

O objetivo de sua implementação é garantir o respeito aos princípios da governança corporativa, tornando as informações levantadas nesses processos em dados mais equilibrados, íntegros, transparentes e confiáveis.

Diferença entre conselho fiscal e comitê de auditoria

Antes de continuarmos, é importante destacar a diferença entre conselho fiscal e comitê de auditoria, já que esses dois órgãos costumam gerar muita confusão. Como vimos no tópico anterior, comitê de auditoria é uma ferramenta da administração para fiscalizar a ação de auditores de maneira preventiva.

Por outro lado, o Conselho Fiscal age pelos interesses dos acionistas e demais stakeholders, independente da cúpula de administração, opinando e fiscalizando as decisões tomadas por ela.

A ação desses setores se complementa e garante ações essenciais para o combate a fraudes, crimes e outras falhas de Compliance. O vídeo a seguir ajuda a entender melhor as diferenças e similaridades entre conselho fiscal e comitê de auditoria, assista:

https://youtu.be/d-azfcc2hbU

Como surgiu o comitê de auditoria?

Com uma presença relativamente recente no mercado corporativo, os comitês de auditoria se tornaram uma figura importante após o surgimento da Lei Sarbanes-Oxley, conhecida como SOx. Esse mecanismo jurídico, por sua vez, surgiu nos Estados Unidos, como resposta ao escândalo da Enron.

De acordo com a SOx, empresas passaram a ter responsabilidade sobre a confiabilidade dos processos de auditoria e prestação de contas, além de outras diretrizes. O intuito é evitar fraudes e garantir maior eficiência na sua detecção.

Impulsionados recentemente pela Operação Lava Jato no Brasil, esses comitês se tornaram uma saída importante para assegurar a credibilidade de empresas, sejam elas de capital aberto, onde a adoção desses órgãos reguladores é exigida, ou mesmo de capital fechado, totalmente opcional.

Responsabilidades atribuídas ao comitê de auditoria

Entendemos o comitê de auditoria como um órgão supervisor, que irá acompanhar decisões e medidas tomadas em etapas de controle, garantindo a assertividade em cada etapa. 

De acordo com as definições elaboradas pelo IBGC, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, as responsabilidades do comitê de auditoria são as seguintes:

  • Acompanhar e supervisionar o processo que irá elaborar os demonstrativos financeiros de uma empresa;

  • Garantir a qualidade e integridade de processos de gestão de riscos e controles internos, através de mecanismos de avaliação e monitoramento;

  • Estimular uma postura de conformidade, ética e integridade sempre atrelada à identidade promovida pela empresa;

  • Supervisionar a aplicação do código de conduta da organização, bem como dos canais de denúncia e ouvidoria;

  • Avaliar processos de correção e aprimoramento das políticas internas de uma empresa;

  • Acompanhar e supervisionar a operação de auditorias internas;

  • Contribuir com recomendações para a seleção, contratação, acompanhamento e potenciais substituições na equipe de auditoria externa independente.

Como podemos observar mais uma vez, o comitê de auditoria funciona na prática como um órgão voltado para representação do conselho administrativo em tarefas de supervisão, acompanhamento e orientação nos processos de prestação de contas, deixando a execução dessas tarefas nas mãos dos gestores responsáveis.


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Roteiro de implantação do comitê de auditoria

A implantação do comitê de auditoria tem um roteiro base em comum para a maioria das organizações, aplicável independente do modelo específico adotado por elas. Antes de abordarmos as etapas para consolidação do comitê de auditoria, as boas práticas recomendam alguns cuidados:

  1. Ideal que tenha ao menos 3 membros ativos. Em comitês maiores, manter preferencialmente um número ímpar de colaboradores atuantes;

  2. Recomendado contar com ao menos um especialista contábil-financeiro;

  3. No cenário ideal, os membros contam com especialidades e níveis de experiência diferentes;

  4. O comitê de auditoria deve ser gerido por um conselheiro independente. Além disso, não é recomendado haver executivos do conselho entre os integrantes.

De modo geral, o objetivo dessas recomendações está em garantir maior capacidade de desempenhar o seu papel, evitar possíveis conflitos de interesse e manter uma conduta isenta.

A partir disso, podemos seguir com as etapas para implementação do comitê de auditoria, que apresenta o seguinte roteiro:

1. Elaboração do regimento interno

O ponto inicial para implantar o comitê de auditoria envolve a criação do regimento interno, que define os regulamentos sob os quais o órgão irá desempenhar o seu trabalho. Esse regimento deve detalhar as funções e procedimentos, sendo efetivo a partir da aprovação dos administradores da empresa.

O regimento interno do comitê de auditoria deve contar com:

  • Requisitos, exigências e impedimentos para nomeação dos membros do comitê;

  • Responsabilidade de supervisão sobre a elaboração de demonstrativos financeiros;

  • Responsabilidade de monitoramento de mecanismos da gestão de riscos;

  • Responsabilidade sobre cumprimento da legislação e supervisão de auditorias internas ou externas;

  • Diretrizes do relacionamento do comitê com o conselho administrativo;

  • Frequência de reuniões e requisitos para entrega de relatos ao conselho administrativo;

  • Orçamento próprio que pode ser utilizado para contratação de especialistas independentes;

  • Diretrizes e responsabilidades do coordenador do comitê.

2. Definição de dinâmica de trabalho

Aprofundando as informações do regimento interno, a etapa seguinte envolve a definição da dinâmica de trabalho do comitê de auditoria. Isso inclui a elaboração de um calendário anual de reuniões, documentação que deve ser recebida periodicamente e tempo de análise, entre outros pontos de relevância.

3. Definição do coordenador

Conforme mencionado, o comitê de auditoria deve contar com um coordenador independente, que ficará responsável por conhecer as responsabilidades e objetivos do órgão, conduzindo as tarefas essenciais para seu funcionamento, como definição de pautas, condução de reuniões, engajamento e liderança geral.

4. Autoavaliação 

Em seguida temos a avaliação, onde o coordenador busca certificar que os resultados obtidos pelo comitê cumprem o seu propósito e responsabilidades estabelecidas pelo documento de regimento interno.

5. Aprimoramento contínuo

Por fim, temos a questão do aprimoramento contínuo, que basicamente reúne os esforços do comitê de auditoria em se manter capacitado e atualizado de acordo com as boas práticas do mercado, mudanças na legislação e princípios da governança corporativa.

Conduzindo cada uma dessas etapas, a implementação do comitê de auditoria garante máxima assertividade e garante sua eficiência no cumprimento de suas atribuições.

Garantia de compliance na rede de fornecedores

Os esforços para garantir o compliance e boa governança não devem ser apenas internos, eles também precisam se estender para a sua cadeia de suprimentos.

Sabemos que conduzir um processo de qualificação de fornecedores é um grande desafio, por isso, a Linkana propõe uma solução moderna e inteligente, através da consulta automatizada de documentos públicos.

A partir do CNPJ do seu potencial fornecedor, fazemos uma varredura completa dos bancos de dados e certificados para garantir a etapa inicial da qualificação com máxima agilidade e o mínimo de burocracia.

Conheça o diagnóstico de CNPJ através de uma avaliação gratuita e veja como ele pode beneficiar a sua empresa:

Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market