Resources

Compliance

Compliance

Compliance

Segurança da informação e Compliance: definição + principais benefícios dessa relação

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

January 13, 2021

January 13, 2021

January 13, 2021

Vivemos em um mundo cada vez mais globalizado e digital, não só na forma como nos relacionamos enquanto pessoas físicas, mas também para as relações comerciais entre pessoas jurídicas. Por esse motivo, conceitos como segurança da informação e Compliance ganham tanta importância no mercado.

Muito mais complexos do que parecem à primeira vista, ambos conceitos atraem os olhares atentos de empresários, fornecedores e até mesmo do poder público. Este que precisa acompanhar as novas tendências tecnológicas que envolvem o setor, criando mecanismos, diretrizes e leis para proteger o bem comum.

Veja como podemos definir o que é segurança da informação e Compliance no texto a seguir. Além disso, entenda como se dá a relação entre essas práticas e os principais benefícios que podem ser aproveitados por empresas que as incorporam na sua governança corporativa.

Definição de segurança da informação e Compliance

Ao introduzir o assunto, comentamos como cada termo é mais complexo e aprofundado do que se imagina em uma percepção inicial. Para compreender facilmente como ocorre a interação entre segurança da informação e Compliance, bem como as vantagens dessa combinação, vamos explicar brevemente a definição de cada um deles.

O que é Compliance?

Compliance, que vem do inglês “to comply”, que pode ser compreendido como estar em conformidade. No ambiente das empresas, estar em Compliance significa que a empresa conhece as normas regulamentadoras, leis e políticas que regem a sua área de operação, respeitando todas elas ao longo de suas atividades mercadológicas.

Muitas pessoas confundem este conceito com o da governança. Podemos dizer que a diferença entre governança corporativa e o Compliance reside no fato que o primeiro é o alinhamento das metas, interesses e conduta de uma empresa ao que determina a legalidade da sua atuação, enquanto o segundo termo reúne todos os guidelines legais para um segmento de mercado.

De forma resumida, o Compliance é uma das ferramentas utilizadas pela governança corporativa, que alia as obrigações legais indicadas nele com as expectativas e condutas implementadas pela gestão empresarial.

O que é Segurança da Informação?

De imediato, ao mencionar a segurança da informação, muitos associam diretamente com a TI - Tecnologia de Informação. Não se trata de um erro, mas não é tão simples assim. A área de TI faz parte da segurança da informação, assim como o Compliance é parte integrante da governança corporativa, para se fazer um paralelo.

De modo geral, a segurança da informação pode ser definida como o conjunto de ações que visam garantir a proteção total aos dados armazenados através de diretrizes tecnológicas, processuais e individuais, que devem prevenir, detectar e combater as ameaças digitais.

Para tornar essa definição mais palpável, temos o modelo dos 3 pilares da segurança da informação, sendo eles:

1. Pilar da confidencialidade, integridade e disponibilidade

O primeiro pilar envolve o que se espera conferir aos dados e informações digitais, que é a confidencialidade, integridade e disponibilidade dos mesmos. 

Dados sigilosos, como informações bancárias, patrimônio e transações financeiras, representam o que uma pessoa ou empresa possui de mais valioso. Por esse motivo, os princípios da segurança da informação buscam garantir tais níveis de proteção a eles.

Eles precisam ser confidenciais, são informações sensíveis e privadas, que não podem ser acessadas por qualquer pessoa. É essencial garantir também a sua integridade, ou seja, eles não podem ser alterados ou corrompidos no meio do processo. Por fim, deve ser garantida a disponibilidade, que é o acesso seguro aos dados por dispositivos, Inteligências Artificiais ou pessoas autorizadas.

2. Pilar da prevenção, detecção e resposta

Se o pilar 1 compreende tudo que se espera obter quando aplicada a metodologia de segurança da informação, este segundo pilar aborda as ações que ela desempenha para atingir o resultado esperado.

Ele é definido pelas diretrizes de prevenção, detecção e resposta. Primeiro, a prevenção discorre sobre todas as medidas de segurança adotadas para evitar que um ataque ao banco de dados seja bem-sucedido. Junto dele temos o processo de detecção, onde o monitoramento dos dados é feito para detectar rapidamente um possível ataque ou ruptura no sistema.

Por fim, temos a estratégia de resposta. Uma vez que o ataque ao banco de dados consiga abrir uma porta de acesso, é preciso agir rapidamente para fechá-la e evitar o vazamento das informações.

3. Pilar da tecnologia, de processos e pessoas

No último pilar, temos todos os envolvidos nas ações descritas acima. Nesse contexto estão incluídas as tecnologias, processos e pessoas que interagem com as informações e dados sob proteção. 

A tecnologia pode ser entendida como o conjunto de ferramentas que previnem, detectam e respondem aos ataques a bancos de dados, sejam elas softwares ou hardwares. Os processos de proteção são o passo a passo das ações que garantem sua efetividade no propósito estabelecido.

Por fim, temos as pessoas, talvez o ponto de maior importância nesse pilar. Quem opera as ferramentas acima e reage ao cibercriminoso do outro lado do ataque. Sua capacidade de utilizar os recursos disponíveis para garantir as diretrizes do pilar 1 é que definem sua qualidade.


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Como os conceitos de segurança da informação e Compliance se relacionam?

Pessoas comuns costumam acreditar que a segurança da informação cabe de maneira exclusiva ao profissional de TI, sendo esse o único responsável e preocupado em garantir sua aplicação. Mas isso está longe de ser verdade.

Até mesmo para pessoas físicas, a proteção de dados e disponibilidade apenas em casos consentidos tem ganhado atenção, como pode ser percebido através da criação da Lei Geral de Proteção de Dados. A LGPD visa defender principalmente os dados fornecidos pelo usuário ao navegar pela internet, que hoje em dia são essenciais para estimular o consumo.

De forma similar, o acesso a dados sigilosos de pessoas jurídicas deve ser realizado segundo os princípios de confidencialidade, integridade e disponibilidade. São dados sensíveis e importantes para a viabilidade de parcerias comerciais, ou seja, estabelecem uma ligação direta entre os conceitos de segurança da informação e Compliance.

Durante a gestão de risco de uma empresa, principalmente aquela que lida com informações de terceiros através da cadeia de suprimentos, vemos que adotar medidas de segurança da informação e Compliance são igualmente obrigatórias.

Negligenciar essas diretivas pode configurar corrupção, resultando em falhas éticas graves, passíveis de sanções, penalizações legais e manchas na reputação da empresa. 

Principais benefícios da relação entre compliance e segurança da informação

Com o alto risco de se negligenciar as práticas de segurança da informação e Compliance, não é surpresa que a sua aplicação seja proporcionalmente benéfica. Vejamos agora, os principais benefícios obtidos pelas empresas que adotam medidas de segurança da informação e Compliance.

  • Maior confiabilidade de dados: utilizando um sistema seguro e eficiente, a confiabilidade dos dados obtidos internamente e também através das parcerias comerciais fica ainda maior. Além disso, um sistema inteligente e seguro é mais ágil e permite que as decisões estratégicas tomadas com base nos dados armazenados se tornem mais assertivas;

  • Relacionamento mais seguro com a rede de fornecedores: Dispor de um sistema seguro e protegido para receber e armazenar os dados de terceiros, fortalece o relacionamento com fornecedores, ou seja, entre empresa e cadeia de suprimentos. De um lado, parceiros comerciais atuam com maior tranquilidade, enquanto a empresa tem dados confiáveis e evita falhas em Compliance;

  • Garantia de Compliance: softwares de análise de Compliance devem ser construídos com base nas diretrizes de segurança da informação, dessa forma, eles avaliam os fornecedores e podem de forma automatizada reunir os dados suficientes para aprovar ou reprovar um candidato, antes mesmo do envolvimento de pessoas no processo;

  • Maior segurança e menor risco: tudo isso resulta em uma segurança maior para a operação da sua empresa, que garante a conformidade no ambiente interno e externo, enquanto protege os dados próprios e de terceiros. Tudo isso irá trabalhar para mitigar os riscos inerentes e proteger a lucratividade do negócio.

Entendeu os benefícios de combinar as boas práticas de Compliance com as diretrizes de segurança da informação? 

Esses são os pilares utilizados pela Linkana, um sistema automatizado e seguro para análise pública de fornecedores, que ainda oferece uma plataforma eficiente e protegida para gerenciar os seus fornecedores homologados.

Informe-se e veja como podemos te ajudar. Basta preencher o formulário abaixo e entraremos em contato:

Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market