Resources

Novidades

Novidades

Novidades

Linkana entra para o portfólio da aceleradora americana Y Combinator

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

Written byLeo Cavalcanti

October 9, 2020

October 9, 2020

October 9, 2020

A Linkana, plataforma que reduz custos e riscos automatizando os processos de homologação de fornecedores, foi anunciada como uma das mais novas startups a conquistarem uma vaga no portfólio da Y Combinator.

Localizada na região americana do Vale do Silício, onde há a maior densidade de startups do mundo, a aceleradora mais famosa do mundo já investiu em mais de 2 mil startups pelo globo desde 2005, com avaliação de mercado combinada de US$ 150 bilhões, tendo em seu portfólio gigantes como Rappi, Dropbox e Twitch.

As startups selecionadas recebem atualmente um investimento de US$ 150 mil em troca de 7% da empresa e três meses de mentoria com a aceleradora para que possam se estruturar como negócio e principalmente para captação de novos investimentos.

Quer saber mais sobre o assunto? Que tal continuar a leitura com uma trilha sonora? A Y Combinator preparou uma playlist de músicas para alegrar a rotina de trabalho (e essa leitura também!). É só dar play:

https://www.youtube.com/watch?v=IQvE7hrRKvw

Conheça a Y Combinator

Com a filosofia de que fundadores são mais produtivos quando eles passam a maior parte do tempo construindo e crescendo, a Y Combinator busca criar ambientes onde o foco é exclusivo no desenvolvimento dos produtos e contato com os clientes.

“Procuramos interferir o mínimo possível nas startups que financiamos. Não assumimos cargos no conselho ou muitos dos outros poderes que os investidores às vezes exigem. Oferecemos muitos conselhos, mas não podemos forçar ninguém a segui-los. Percebemos que a independência é uma das razões pelas quais as pessoas querem começar uma startup. E, francamente, é também uma das razões pelas quais as startups têm sucesso. Os investidores que tentam controlar as empresas que financiam muitas vezes acabam destruindo-as”, afirma a Y Combinator no próprio site.

Duas vezes por ano, janeiro a março e junho a agosto, são abertas rodadas de investimento para um grupo de startups. Os fundadores das selecionadas se reúnem com a equipe da aceleradora a cada duas semanas de modo a discutir os próximos passos da startup, além de participarem de conversas semanais com fundadores de startups, executivos e investidores.

Entre os benefícios do programa de aceleração da Y Combinator estão:

Alumni networking

Com mais de 2 mil companhias e 4 mil fundadores, a rede de networking dentro da aceleradora cria inúmeras possibilidades às empresas.

Bookface

Com uma plataforma própria, que mistura Facebook, Quora e LinkedIn, é possível se conectar com outras pessoas e conversar em caso de dúvidas ou apenas uma troca de experiências.

Workshops e mini-conferências

Alumni são convidados a ministrar eventos que podem abordar desde design e recursos humanos até mesmo vendas.

Contato direto com especialistas

Durante o YC, os fundadores possuem sessões quinzenais com outras empresas em seu grupo e com os parceiros de seu grupo, ajudando os gestores a se acostumarem a avaliar e relatar seus números com maior frequência e a a prestar contas a um grupo maior. 

Recentemente foi implementado horários de atendimento para grupos de ex-alunos, que permite às empresas a se ajudarem e apoiarem em um ambiente onde os fundadores podem confiar uns nos outros para manter os segredos das respectivas empresas.

Alguns empreendimentos brasileiros que já passaram pela aceleradora são bxblue (fintech) e Quero Educação (edtech). O Brex, criado por brasileiros mas sediado no Vale do Silício, também participou de um programa da aceleradora.

Os maiores casos de sucesso da Y Combinator, por avaliação de mercado, são Stripe (fintech), Airbnb (proptech) e Cruise (autotech).

A importância do mercado de aceleração

É óbvia a importância do mercado de aceleração de startups. Sem investidores, não haveriam globais como Uber, Airbnb, PayPal, Pinterest e inúmeras outras. E quando falamos de startups no Estados Unidos, estamos falando de Vale do Silício.

Eram os anos 1950 quando William Shockley, Prêmio Nobel de Física e pesquisador da área de semicondutores (chips) decidiu montar sua empresa no Vale, por ter passado sua infância lá.

Para lhe ajudar com os negócios, foram recrutados 8 jovens pesquisadores de Nova Iorque e Boston – até então as cidades com os mais importantes centros tecnológicos.

Outro nome fundamental para o Vale é o de Frederick Terman. Como reitor de Stanford, ele incentivou, nos anos 1940 e 1950, professores e alunos graduados a iniciarem suas próprias empresas.

De acordo com Dave Goldberg, CEO do SurveyMonkey, empresa que possui  uma avaliação de mais de US$ 1 bilhão, o Vale do Silício cresceu e hoje não é apenas uma localização e sim um estado de espírito, uma cultura que se dissemina por todo o mundo. 

Para Jim Goetz, sócio de uma empresa de capital de risco chamada Sequoia Capital, é possível que em breve o número de startups que consigam uma avaliação de US$ 1 bilhão chegue a 100. 

Esse fenômeno, segundo o investidor, é visto como uma “mudança permanente" na maneira como os empreendedores estão construindo suas empresas e como os financiadores estão jogando os valores para cima.

Porém, o Vale não é o único lugar para o qual investidores americanos estão de olhos abertos. A América Latina é cada vez mais foco dos investidores e a própria Y Combinator é prova disso: no novo grupo de startups investidas, 19 (9,7% das 195 empresas) são da América Latina.

A Índia também chama cada vez mais a atenção de investidores: desde o início do ano, mais de US$ 17 bilhões foram parar no país.

A Amazon prometeu US$ 1 bilhão em janeiro, o Facebook investiu quase US$ 6 bilhões no final de abril e o Google superou todos com um compromisso de US$ 10 bilhões. Eles fazem parte de uma onda de investimentos na indústria de tecnologia da Índia que pode chegar aos US$ 20 bilhões, com a maior parte vindo dos Estados Unidos.


Modernize your supplier management today

Fill out the form below and discover the most complete and integrated SRM platform in Brazil.

Quais são as startups brasileiras do batch W20 da Y Combinator?

Linkana

Especialista na mitigação de riscos e redução da burocracia, o objetivo da Linkana é auxiliar o cliente a automatizar os processos de homologação e qualificação de fornecedores.

Com nossos robôs, é possível monitorar os fornecedores com a renovação automática de certidões, consultas e documentos além de receber alertas de inconsistências e irregularidades com base na validade de documentos ou outros critérios definidos pelo contratante, para que o relacionamento com o fornecedor se mantenha seguro e garantido o tempo todo.

A Linkana também está disponível no LinkedIn, levando as novidades da gestão de Procurement para os seguidores.

Alude Atlas

Um banco de dados de proprietários de imóveis para aluguel e venda, segmentados por cidade e bairro, para corretores de imóveis.

Apartio

Com o objetivo de ajudar proprietários a rentabilizar seus imóveis, o Apartio gerencia os espaços.

Carupi

Plataforma de venda e compra de carros sem sair de casa.

Facio

A Facio é um benefício financeiro para colaboradores, oferecendo antecipação de salário, educação financeira e uma reserva rentável para o colaborador, além de ser uma ferramenta de performance sem custo para empresa.

Hent

A Hent é uma plataforma de automatização de cobrança das parcelas dos lotes vendidos, oferecendo desde gestão dos contratos, emissão dos boletos e fluxo de gestão dos contratos novos e ativos.

Start Bank

Conta digital inteligente, que oferece cartão de crédito mesmo para negativados e uma linha exclusiva de empréstimos entre R$ 500 até R$25 mil mesmo para clientes sem comprovação de renda.

Qual dessas startups está no seu radar? Já conhecia o Vale do Silício e a sua importância para o mercado de investimentos e tecnologia? Deixe um comentário!

Fonte: https://www.contxto.com/en/events/latin-american-startups-y-combinator-winter-2020/

Radically optimize your supplier management

Sign up below and discover how to reduce supplier registration and approval time by up to 80%.

OTHER CONTENTS

Discover more news and trends in the procurement market