Estratégia de supply chain: 6 erros que sua equipe deve evitar na área

A supply chain, também conhecida como cadeia de suprimentos, pode ser descrita como uma série de processos que englobam desde a compra de insumos e matérias-primas até a entrega dos produtos concluídos para os clientes finais.

Aplicar as melhores práticas nesses processos é fundamental na agilidade, eficiência e integração dos departamentos, possibilitando o desenvolvimento da empresa e custos menores ao negócio. Todavia, existem erros que podem comprometer o possível sucesso da empresa.

Descubra quais são os 6 principais erros de estratégia de supply chain que sua equipe deve evitar cometer.

Quais erros de estratégia de supply chain sua empresa deve evitar?

Não saber quais são as despesas dos processos da cadeia

Imagine uma família composta pelo pai, mãe e pelo filho de 13 anos. O menino manda uma mensagem no grupo da família avisando que precisa de cartolinas e tinta guache para um projeto da escola. Ambos pais veem a mensagem e vão até a loja de materiais escolares para comprar os produtos, causando um gasto duas vezes maior que o esperado.

Se em um grupo tão pequeno já é possível encontrar cenários em que dinheiro é desperdiçado, imagine em uma multinacional com centenas de colaboradores e uma variedade de setores.

É crucial para uma empresa ter sempre em mãos todas as categorias, gastos e contratos atuais para ter uma noção real de todos os custos que um único produto terá e se esse valor, somado à margem de lucro, resultam em um preço que ainda assim atrairão os clientes finais.

Resumindo: sem uma centralização do processo de compras, os gastos financeiros e de tempo são maiores, podendo levar sérios prejuízos a qualquer instituição.

Não ter mapeado possíveis riscos

Você já ouviu o ditado “esperar sempre o melhor, mas estar preparado para o pior”?

Nenhuma empresa quer imaginar os cenários negativos, mas eles acontecem. Portanto, prever possíveis riscos permite à sua equipe planejar ações que suavizam o impacto e protegem a empresa de grandes danos.

Dentro da cadeia de suprimentos, os principais riscos que valem ser considerados, são:

  • Riscos econômicos como aumento de impostos, inflação, flutuação de taxas de câmbio e até mesmo falência de fornecedores ou clientes.
  • Riscos geográficos, ou seja, ligados à adversidades por fatores climáticos, desde vendavais e tempestades até inundações e incêndios em áreas verdes.
  • Riscos de planejamento, que podem ser evitados caso haja investimentos de tempo e dinheiro na tomada de decisões
  • Riscos de qualidade, como produtos vencidos, mal-feitos ou estragados durante o transporte
  • Riscos de sustentabilidade também ganham cada vez mais importância. Dentre os principais são grandes emissões de CO2, descarte incorreto de resíduos, desperdício de água e energia elétrica, entre outros. 

Problemas de comunicação entre setores

Esse não é apenas um dos erros mais graves, como também que pode causar diversos prejuízos. É por meio desse erro, inclusive, que toda a supply chain pode ser afetada negativamente. Como?

Vamos imaginar que o fornecedor A deixou de entregar um dos insumos necessários para a produção do produto Z e a equipe de Procurement não informou o departamento de produção, que também não reportou o atraso para a equipe de vendas. 

Quem é o principal prejudicado? O cliente final, que não receberá a encomenda dele à tempo.

A comunicação interna é imperativa para que todas as áreas consigam trabalhar de forma coesa. Por isso, tanto o gestor deve se comunicar muito bem com a equipe assim como as equipes devem se sentir abertas para se comunicarem umas com as outras e compartilharem ideias e sugestões, todos com o objetivo final de ajudar uns aos outros.

Falta de métricas de desempenho

Apesar do desempenho de uma empresa precisar ser continuamente monitorado, muitos negócios falham em ter esse olhar para sua performance. Essa atitude pode não fazer diferença em momentos lucrativos, mas pode ter um grande impacto em momentos de crise – que podem, inclusive, acontecer por motivos não-relacionados ao seu negócio.

Os indicadores-chave de performance – também conhecidos como KPIs – podem ajudar a descobrir desde como está a produtividade dos colaboradores, das vendas de respectivos produtos e até mesmo da qualidade dos produtos oferecidos.

Dentre os principais KPIs da Supply Chain, podemos citar:

  • Rotação de estoque
  • Cobertura de estoque
  • Lead time de compras
  • Taxa de pedido perfeito
  • Savings da empresa

Com métricas como essa implementadas na rotina institucional, sua empresa consegue identificar bons e ruins períodos e então entender o que pode ser feito para aprimorar os processos de acordo com as necessidades do período. 

Os KPIs foram tema de um vídeo do Tudo Sobre Logística, que você pode conferir abaixo:  

Não reconhecer a relevância dos fornecedores

Ter uma estratégia de supply chain significa olhar para todas as etapas do processo, desde os fornecedores até a entrega ao cliente final.

Apesar de serem parceiros das empresas, muitos não reconhecem a relevância dos terceiros para o desenvolvimento do negócio. Mas sem os fornecedores, é impossível iniciar o processo que gera lucro à corporação.

Portanto, é de extrema importância levar esse relacionamento com seriedade e proximidade desde o início, que é a homologação e qualificação deles. 

Desde a estabilidade financeira e cultura empresarial até a credibilidade no mercado e indicadores ESG, saber quem é a pessoa ou empresa com a qual você possivelmente estará trabalhando pode evitar muitos transtornos.

Mas para que sua equipe de Procurement não se sinta sobrecarregada, existem ferramentas como a Linkana, que conseguem automatizar todo o processo de homologação e Compliance de fornecedores, evitando erros e mitigando riscos enquanto simultaneamente reduz os gastos corporativos.

Pouco investimento tecnológico

Vamos continuar o assunto do último tópico? Pois não é apenas na homologação e qualificação de fornecedores que a tecnologia pode ajudar sua empresa. A tecnologia deixou de ser um diferencial e se tornou uma necessidade dentro das empresas por trazer mais segurança e diminuir os riscos de erro humano.

Imagine, por exemplo, se uma multinacional não tivesse um sistema online de atendimento ao cliente para receber e registrar todas as dúvidas, pedidos de troca e reembolso e reclamações dos clientes?

A falta de investimentos em tecnologias na cadeia de suprimentos não apenas compromete horas de trabalho das equipes, como também pode levar a prejuízos financeiros por simples erros causados pela carga alta de trabalho.

Leia também: Cadeia de suprimentos 4.0: 4 mudanças para prestar atenção

Essas são apenas algumas das estratégias de supply chain que podem ajudar a sua empresa a evitar erros que gastem tempo e dinheiro e talvez até mesmo comprometer o seu negócio.

Agora avalie quais são os erros que sua empresa comete atualmente para que eles sejam alterados o quanto antes com estratégias de supply chain a fim de reduzir o número de riscos em que seu negócio pode se encontrar atualmente.

E não se esqueça de contar com a Linkana para ajudar em todos os gargalos relacionados aos fornecedores. Quer saber como? Conheça o que podemos fazer pela sua organização:

Leo Cavalcanti

Leo Cavalcanti

Advogado, especialista em Planejamento Tributário e Finanças, soma mais de 05 anos de experiência com rotinas de auditoria empresarial e tributária, além de conhecimento em controladoria e práticas de departamento jurídico corporativo. Atualmente é CEO e um dos co-fundadores da Linkana.