[Guia rápido] Como fazer uma declaração de apetite por riscos?

A sua empresa tem consolidada uma declaração de apetite por riscos? Essa diretriz auxilia a determinar a quantidade e tipos de riscos que a sua empresa está disposta a tolerar e gerenciar para alcançar as metas do negócio.

A princípio, pode parecer estranho a sua empresa fazer uma declaração envolvendo riscos aceitáveis, afinal, em um mundo ideal o seu negócio não passaria por nenhum tipo de dificuldade. 

Mas a realidade é que os negócios estão sujeitos a diversos tipos de dificuldades e é fundamental alinhar internamente quais tipos de riscos a sua empresa consegue lidar.

Por isso, essa declaração é essencial para tomar decisões de alto impacto e lidar com novas oportunidades ou com um risco em particular.

Entenda melhor o que é e como fazer uma declaração de apetite por riscos. 

O que é uma declaração de apetite por riscos?

O apetite por riscos pode ser definido como a quantidade de risco que uma organização está disposta a buscar, manter ou assumir durante os negócios.

Já a declaração de apetite por riscos é um documento contendo, de forma clara e explícita, todos os limites toleráveis de riscos, incluindo um modelo financeiro e de negócios para auxiliar na tomada de decisões arriscadas. Ela deve ser baseada nas circunstâncias atuais da empresa e suas metas. 

A declaração é única para cada organização. Isso porque ela deve ser baseada nas estratégias específicas de cada negócio e nos fatores e diretrizes internos que influenciam na tomada de decisões.

Ela é uma ferramenta essencial para as organizações, especialmente para aquelas que:

  • Possuem uma estratégia de crescimento ambiciosa
  • Tem mudanças organizacionais significativas
  • Enfrentam algum tipo de vulnerabilidade no mercado

Essa declaração, elaborada pela gestão e direção da empresa, deve ser um documento orientador do comportamento de todos os setores da empresa, além de auxiliar na tomada de decisões estratégicas e operacionais. 

Isso porque é possível consultar e saber se aquela ação definida é compatível com os riscos assumidos. Assim, o conselho financeiro, a direção e outros setores da empresa sabem exatamente qual é o limite de suas ações e são capazes de tomar decisões bem informadas e baseadas, trazendo uma maior segurança apesar dos riscos envolvidos.

Como fazer uma declaração de apetite por riscos? 

Ao criar uma declaração de apetite por riscos, a empresa consegue encontrar um equilíbrio interno que seja apropriado entre a inovação e a cautela.

Essa declaração é um compromisso firmado entre todos os acionistas e gestão da empresa. Afinal, o que é um risco aceitável para algum setor ou acionista pode não ser por outro. Por isso ela serve de alinhamento interno. 

Como é um processo complexo, deve ser feito com diferentes áreas estratégicas da empresa participando, para refletir a sua realidade e protegê-la contra potenciais riscos avaliados por todos esses setores. As principais áreas que podem ser envolvidas são: acionistas, direção, financeira, saúde, ética, social, recreacional e de informação.

Para que ela seja incorporada por toda a empresa é preciso que todos a compreendam, por meio de treinamentos e capacitações

O que analisar? 

Os principais fatores que envolvem a documentação de uma declaração de apetite por riscos e que sua empresa deve analisar são: 

Internamente

  • Perfil de risco: quais são os principais e como mitigá-los? 
  • Capacidade de risco: quanto risco a empresa pode absorver, qualitativa e quantitativamente ?
  • Como é feita a gestão de riscos na empresa?
  • Solidez financeira: custo benefício, recursos financeiros e retorno que se quer
  • Estratégia: metas, stakeholders, cultura da organização quanto aos riscos e pensar nas necessidades de shareholders, clientes e órgãos reguladores
  • Questões legais: requisitos legais para cumprir algo que influencia na decisão
  • Histórico de riscos
  • Objetivos a longo prazo
  • Estágio de vida da empresa
  • Disponibilidade da administração para correr riscos

Externamente 

  • Como está o mercado?
  • Em que patamares estão os concorrentes? 
  • Como andam a imagem pública da empresa e a reputação corporativa?
  • Quais as possibilidades de inovação percebidas? 

O que deve conter? 

A declaração de apetite por riscos pode abranger questões gerais ou de áreas específicas, cobrindo questões de segurança, compliance, operacional, reputação e outros tipos de riscos. Para isso, é preciso estabelecer se a declaração será geral da empresa ou se serão feitos documentos separados para cada tipo de risco. 

Também é necessário que a linguagem da declaração seja precisa e não tenha ideias vagas e generalizações, afinal esse é um documento orientador. Para isso, deve constar o papel exato das pessoas e setores nos riscos que podem ser tomados. 

Além disso, ela pode determinar números, porcentagens, etapas e tudo que auxilie a deixar o documento mais claro e específico.

Em sua totalidade, a declaração de apetite por riscos deve conter também:

  • Valores corporativos
  • Quais estratégias fazem parte do apetite por riscos 
  • Quais riscos stakeholders podem assumir 
  • Capacidade de riscos que empresa pode absorver 
  • Limites e restrições sobre métricas de risco
  • Apetite ao risco: grau de exposição aos riscos que organização está disposta a aceitar para atingir objetivos estratégicos, além de criar valor para acionistas

O apetite ao risco pode se dar em cinco graus:

  1. Averso: neste nível de risco a empresa os evita ao máximo, assim como as incertezas em investimentos e novos negócios 
  2. Mínimo: aqui as organizações preferem opções que sejam consideradas ultra seguras e de baixo risco 
  3. Cautelosa: as opções preferíveis são as consideradas seguras
  4. Aberta: empresa que aceita alguns riscos potenciais
  5. Faminta: organização que deseja muito inovar e por isso escolhe opções com potencial alto de retorno apesar dos riscos

Esse apetite representa um equilíbrio entre potenciais benefícios de inovação disruptiva e ameaças que elas trazem. 

Benefícios de elaborar uma declaração de apetite por riscos

Um estudo da Gartner descobriu que apenas 60 empresas haviam superado seus concorrentes do setor ao mesmo tempo que tiveram melhorias nas margens de lucro nas últimas duas décadas. O principal diferencial dessas empresas foi a capacidade de tomar decisões consideradas mais arriscadas.

Entre os principais benefícios que a sua empresa tem ao celebrar uma declaração de apetite por riscos estão: 

  1. Celebrar o compromisso de empresa no gerenciamento dos riscos 
  2. Melhorar a tomada de decisões da empresa 
  3. Ajudar a alocar recursos e entender o equilíbrio entre riscos e benefícios 
  4. Trazer menos vulnerabilidade nos negócios
  5. Menos surpresas na contabilidade da empresa
  6. Aumentar a confiança de stakeholders e agências de crédito 
  7. Traz uma vantagem competitiva perante a concorrência
  8. Traz mais transparência interna e externa dos processos da empresa
  9. Guiar pessoas no nível de risco
  10. Encorajar consistência nas decisões da empresa 
  11. Evitar gastos futuros com redução de riscos

É importante lembrar que a declaração de apetite por riscos pode e deve ser avaliada e atualizada constantemente. Isso vai depender do cenário econômico e social vigente, ou seja, essas avaliações podem ser feitas semanalmente ou anualmente. Tudo irá depender da percepção interna da gestão.

Além disso, é preciso também identificar, mensurar, acompanhar e reportar riscos constantemente para fazer essas atualizações. 

E a sua empresa, está avaliando estrategicamente os riscos a que estão vulneráveis? Nem todo o tipo de risco é aceitável para uma organização, especialmente ao lidar com fornecedores. 

O software da Linkana te ajuda a diminuir os riscos na cadeia de suprimentos. Ele permite uma análise automatizada de consultas públicas, assim a sua empresa encontra fornecedores confiáveis com eficiência e agilidade. Faça um diagnóstico de CNPJ gratuito com a nossa demonstração:

Leo Cavalcanti

Leo Cavalcanti

Advogado, especialista em Planejamento Tributário e Finanças, soma mais de 05 anos de experiência com rotinas de auditoria empresarial e tributária, além de conhecimento em controladoria e práticas de departamento jurídico corporativo. Atualmente é CEO e um dos co-fundadores da Linkana.