Ética em compras: principais normas + 4 motivos para praticar

A nossa busca constante por uma cadeia de suprimentos em Compliance e todos os esforços dedicados para a análise e qualificação de fornecedores, acaba sendo natural que a ética em compras se torne uma pauta relevante.

Constituída por um conjunto de hábitos e valores que formam nossa conduta moral, a importância da ética no setor de compras é caracterizada pelo seu papel de destaque. Seguir tal conduta na maneira como define suas políticas internas, matriz de riscos e diretrizes da gestão de compras é essencial para o sucesso e rentabilidade a longo prazo de qualquer empreendimento.

Mas como isso acontece? Quais conceitos da ética em compras apresentam motivos palpáveis para adotar essa prática na gestão do departamento e de toda a cadeia de suprimentos? É exatamente isso que veremos nesse artigo. Boa leitura!

O que é Ética?

Podemos definir ética como o conjunto de valores e princípios morais que conduzem a nossa sociedade, considerando o bem-estar e o respeito mútuo às nossas interações. É correto afirmar que a ética se baseia nos valores de equilíbrio, respeito, justiça, transparência e moralidade.

Como ela dispõe sobre os valores de uma sociedade ou cultura, é de se esperar que cada grupo defina o seu próprio código de ética. Entre os exemplos dessa abordagem, temos os códigos de ética publicitária, jornalística e empresarial, além da ética em compras, que é o nosso assunto principal.

Antes de abordar o tema central, é importante destacar que a ética não se refere às leis de uma sociedade, ao menos não de forma direta. A ética envolve “fazer o que é certo”, sem obrigar que isso seja sinônimo de “fazer o que a lei permite”.

Definição de ética em compras

Conhecendo a ética que rege nossa sociedade e pela responsabilidade do setor de compras para a operação de uma empresa, somos capazes de estabelecer que a ética em compras representa os valores morais e boas práticas recomendados para as relações com a cadeia de suprimentos e demais departamentos internos.

De imediato, é possível estabelecer um paralelo entre a ética em compras e os conceitos de Compliance e governança corporativa. Estes dizem respeito às leis vigentes para o mercado e responsabilidades a serem cumpridas, além de alinhar a gestão a essas regras.

A advogada Anna Bastos, especialista em ética, aborda exatamente esse assunto em seu TED Talks, confira:

Uma conduta ética em compras é considerada a maneira ideal de conduzir uma questão, respeitando os envolvidos e garantindo os interesses da empresa, sem prejudicar de maneira direta ou indireta a operação de terceiros.

Normas da conduta ética em compras

O departamento de compras deve atuar de maneira alinhada à cultura, organização e diretrizes da empresa, defendendo sua visão de mercado e valores. Como o profissional de procurement lida também com fornecedores, essa mesma postura é esperada por eles.

A ética em compras, desse modo, tem o papel de alinhar os interesses dentro e fora de uma empresa. Ele irá priorizar as políticas internas e garantir bons resultados para a sua empresa, mas sua conduta não deve ferir os princípios e a moral de seus parceiros, colaboradores ou resultar em danos à sociedade.

O CBEC, Conselho Brasileiro dos Executivos de Compras, reforça a importância da ética em compras através de seu conjunto de normas de conduta e recomendações. 

O princípio dessa iniciativa é que os seus associados tenham um comportamento impecável e que despertem em seus comandados uma postura similar. Entre as normas de conduta ética, vamos citar as mais relevantes:

  • Não basta agir de maneira ética, tem de prezar por essa imagem: a primeira norma reforça que o executivo de compras evite ações e declarações que possam ser percebidas como impróprias ou antiéticas, mesmo que sua conduta não mereça tal questionamento, a fim de preservar a sua imagem e também a da empresa;
  • Garantir o melhor custo/benefício é sua obrigação principal: é função principal do departamento de compras garantir que cada valor investido pela empresa traga o melhor resultado possível para ela, evitando que interesses e valores pessoais interfiram na decisão;
  • Identificar e estimular o desenvolvimento de talentos no setor: lideranças devem garantir a evolução do setor, como parte da ética de compras, identificando talentos promissores e investindo no seu desenvolvimento;
  • Garantir o cumprimento às leis e regulamentos: as ações executadas pelos profissionais do setor de compras devem seguir e garantir o cumprimento às leis brasileiras, normas internas da empresa e regulamentos impostos pelo mercado;
  • Incentivar a preservação ambiental e desenvolvimento social: ao avaliar o custo-benefício oferecido pelos fornecedores, deve-se considerar, priorizar e até incentivar a empresa parceira quanto à implementação de práticas que preservam e recuperam recursos ambientais, bem como garantem apoio aos indivíduos mais frágeis da sociedade.

Em resumo, as normas éticas do CBEC têm o objetivo de garantir o desenvolvimento do setor de compras, dos talentos profissionais do ramo e que estes alcancem de forma responsável e transparente o seu objetivo principal, que é a negociação com melhor custo-benefício.

4 motivos para adotar a ética em compras

Ao compreender o que compõe a importância da ética no setor de compras, temos um panorama interessante sobre os benefícios proporcionados por essa prática. Se você ainda não se convenceu, confira uma lista de 4 motivos para adotar essa conduta

1. Alinhamento de esforços

Quando o setor de compras segue uma conduta ética, ele unifica os valores que defende e coloca todos os seus esforços no mesmo direcionamento. Essa sinergia garante maior agilidade para a tomada de decisões, uma vez que todos os profissionais que compõem o departamento de procurement seguem a mesma metodologia.

2. Profissionalismo e transparência

Uma postura profissional está diretamente atrelada a um código de conduta ética em compras, já que demonstra a seriedade e compromisso que a empresa e o próprio departamento conduz suas atividades.

Isso também aumenta a transparência do setor, que tem a ética como justificativa primordial para a tomada de decisões, facilitando até mesmo a qualificação de fornecedores.

3. Diminui riscos

Como a conduta ética é baseada nos valores morais aceitos pela sociedade e cultura organizacional da empresa, no caso do setor de compras, é possível traçar um paralelo entre o elevado respeito às regras e leis vigentes com a redução de riscos.

Operações em Compliance, que seguem as normas éticas em compras criadas pelo CBEC, protegem a empresa de riscos proporcionados por fornecedores antiéticos, que podem prejudicar a imagem, produção e idoneidade de uma contratante.

4. Foco na eficiência

As normas éticas em compras promovem como objetivo principal a identificação da proposta de maior custo-benefício. Isso vai além de encontrar o menor preço, pois envolve garantir o padrão de qualidade, tempo de entrega e melhores condições de pagamento, entre outros.

Com base nessa conduta, o setor de compras garante a rentabilidade e eficiência da cadeia de suprimentos, tanto para a empresa contratante quanto para os fornecedores selecionados.

Conclusão

A ética é tão relevante e pertinente para o setor de compras quanto é para o desenvolvimento da empresa e até mesmo da sociedade em si. Ela fornece mais do que um conjunto de valores morais e normas de conduta, ao garantir que os benefícios gerados para um não serão fruto de ônus para outros.

Adotar a ética em compras está diretamente ligado à práticas tidas como essenciais para o setor, como a verificação de Compliance e governança corporativa. Em conjunto, garantem a confiabilidade, transparência e rentabilidade de qualquer operação, enquanto combatem os riscos.

Para mais notícias e insights relevantes para a relação com a cadeia de suprimentos da sua empresa, não deixe de acompanhar as novidades aqui do blog. Está em busca de ferramentas para análise de Compliance e governança com mais agilidade e eficiência? Então não deixe de conferir o que a Linkana pode fazer pela sua empresa.

Fale com nossos representantes pelo formulário abaixo e saiba mais.

Leo Cavalcanti

Leo Cavalcanti

Advogado, especialista em Planejamento Tributário e Finanças, soma mais de 05 anos de experiência com rotinas de auditoria empresarial e tributária, além de conhecimento em controladoria e práticas de departamento jurídico corporativo. Atualmente é CEO e um dos co-fundadores da Linkana.